fbpx

Estude Política com o DK!

Eric Matheus: DKWOLF

Eric Matheus: DKWOLF

0
Número de Livros lidos
0
Número de dias na casa
0
Número de Artigos Produzidos
0
Número de Artigos Produzidos

Creio que meu maior interesse é o de ser capaz de fazer com que, no círculo brasileiro, o maior dos nomes libertários tenha o devido reconhecimento, i.e., vivificar no Brasil tal autor e ideias, tanto por sua forma clara de diálogo quanto por sua contribuição densa (apesar de não parecer) e de extrema importância aos debates político, econômico e filosófico. Não poderia eu estar falando de outro que não Murray Newton Rothbard. E, se ainda houver possibilidade, tentar fazer o mesmo para com Hoppe, trazendo suas obras que ainda estão em alemão para o cenário brasileiro ou, ainda, levar para o cenário americano, visto que há obras deste que ainda estão somente no alemão, e são estas de grande valor para o debate. Ainda, meu interesse vai além, ele vai também ao querer chegar próximo do nível de Rothbard e, se tudo der muito certo, talvez alcançar o mesmo nível ou ainda, caso tudo dê extremamente certo, superá-lo. (Veja bem, falo, neste, de algo como um milagre.) Ademais, tenho, também, o interesse de ser um proficiente cientista (ou filósofo) político às luzes de Rothbard.

 

Talvez seja interessante e importante falar-lhe mais sobre aquele que vos fala, pois bem: começarei por como conheci uma das pessoas que me ajudou e ainda me ajuda muito em meu caminho, falo de Daniel Miorim. Meu primeiro contato com ele foi em uma conversa, a qual aconteceu no servidor, do discord, Fraternidade Hoppeana (FH), entre ele e o pessoal do servidor (incluindo Fhoer), essa me fez conhecer o que na época era o libertarianismo 2.0, e desde então venho o acompanhando; isto foi um dos fatores que me trouxeram aqui, dentre estes outro que se destaca foi minha presença no Fraternidade Libertária, esta proporcionou-me muitos amigos — o Malboro, o Miorim, o Zap, o Panda e muitos outros — e muitas discussões e conversas — muitas das vezes participei como um ouvinte, até hoje tal hábito ainda permanece —, em uma dessas conversas, surgiu a ideia de uma equipe, o que veio a ser a Editora Konkin, para a tradução e publicação de livros importantes (Mito da Defesa Nacional, Socialismo e Homem, Economia e Estado) que ainda não haviam sido traduzidos, mas que eram, e ainda são, de grandíssima importância. Em uma revisão, deparei-me com a importância daquilo que estava em minhas mãos, o Pilar da Escola Austríaca. Homem, Economia e Estado — o magnum opus de Rothbard. Ao compreender isso, precisei tomar um caminho, apesar de eu não ser o mais habilitado, o de adotar uma abordagem diferente, a de alguém com uma responsabilidade em mãos. Fazer o melhor possível para trazer uma tradução fiel e sistemática, digna do grau de Murray N. Rothbard. O que me levou a participar da Editora Konkin foi, de fato, esse senso de responsabilidade. Mesmo não sendo o mais apto à realização do objetivo, eu não era capaz de apontar outro enquanto o culpado pela não realização dele. E aquilo que me levou a participar, enquanto estudante de ciência política, deste projeto (apesar de, honestamente, em primeira instância, ter sido algo como “Dk, bora?”, “Bora.”) foi também uma noção de “preciso de um arcabouço intelectual para realizar essas metas”; mas isto ainda é algo que está à frente da história. Voltando um pouco… antes de participar da equipe, precisei me deparar com o quão não habilitado estava eu, tanto para falar de coisas que falava quanto para entender a totalidade do que era dito. Ainda me vejo enquanto alguém que precisa estudar muito, mas, diferentemente do passado, pelo menos essa noção de meu si mesmo eu tenho. À outra conversa — creio eu, ainda não falada sobre, mas que ocorreu bem antes da ideia da Editora — tive um vislumbre do horizonte das coisas — do quanto o cenário brasileiro estava, e ainda está, atrasado. E tive a certeza do quão pouco (para não dizer nada) eu sabia também e a noção do quão importante é o trabalho que é realizado pela Universidade Libertária.

 

Algumas áreas de estudo que também me interessam e das quais tenho um certo grau de proficiência são: as línguas inglesa, portuguesa e alemã (da mais alta para a mais baixa, em proficiência); a gramática, de ambas as supracitadas. E alguns hobbies: filologia e etymología.

Creio que o porquê de doar para este que vos fala já está no texto, e, além disso, estará facilitando a conquista do que foi preludiado. 

 

— Eric “dk” Matheus, editor chefe de Homem, Economia e Estado, tradutor e revisor na Editora Konkin, e aluno 003 do projeto intelectual da Universidade Libertária.