Livros autorais e traduções feitas pela Universidade Libertária

Grande tratado de Murray N. Rothbard Man, Economy, and State e seu texto complementar Power and Market, são aqui combinados em uma única edição como foram escritos para ser. Ele fornece uma apresentação abrangente da teoria econômica austríaca, uma reconstrução de muitos aspectos dessa teoria, com uma crítica rigorosa das escolas alternativas e um olhar inspirador em uma ciência da liberdade que diz respeito a quase tudo e deve preocupar a todos.

Através de Rothbard, aprendemos que a economia é a ciência que lida com a ascensão e queda da civilização, o avanço e retração do desenvolvimento humano, a alimentação e cura das multidões, e a questão em saber se os problemas humanos são dominados pela cooperação ou pela violência.

A economia nesse maravilhoso livro de Rothbard emerge como a bela lógica subjacente à ação humana num mundo de escassez, a clareza sobre como as trocas voluntárias tornam possíveis às pessoas cooperarem para a sua melhoria de vida mútua. Vemos como o dinheiro facilita isto, e permite um cálculo ao longo do tempo que abre a expansão do capital e a realização de investimentos. Também vemos como o empreendedorismo, baseado em julgamentos reais e na tomada de riscos, é a força motriz do mercado.

A ideia libertária de sociedade sem estado atrai muitas pessoas, mas, por mais atraente que seja a ideia, é frequentemente descartada como utópica. Como uma sociedade anarquista poderia se defender contra estados grandes e centralizados? A defesa, alegou-se, não pode ser fornecida de forma adequada pelo livre mercado. É o que os economistas chamam de “bem público”.

Os contribuintes de The Myth of National Defense discordam desse veredicto. Em um ensaio caracteristicamente estimulante, Hans-Hermann Hoppe mostra em detalhes como uma sociedade anarquista lidaria com a proteção. Ele sugere que as agências de proteção estariam vinculadas às seguradoras. Levando a batalha até seus adversários estatistas, Hoppe afirma que Hobbes e seus muitos sucessores falharam em mostrar que o estado que eles apóiam é preferível ao estado de natureza.

Walter Block enfrenta o problema dos bens públicos de frente. Não é verdade, diz ele, que a defesa deva ser fornecida a todos, principal reivindicação daqueles que levantam a objeção de bens públicos. Ao contrário, o mercado tem meios de excluir do recebimento de proteção quem não compra serviços de defesa.

Jeffrey Hummel traz uma perspectiva histórica para o argumento. Dadas as condições tecnológicas modernas, uma força de defesa pequena, mas tecnológica, do tipo que uma sociedade anarquista poderia fornecer, seria capaz de repelir invasões dos exércitos de massa criados pelos estados. Joseph Stromberg olha para a história da guerra de guerrilha para ilustrar a defesa bem-sucedida sem um grande exército, e Larry Sechrest mostra como forças privadas realizaram a guerra naval.

O livro contém muito mais; como exemplo, o distinto filósofo da ciência Gerard Radnitzky desafia a visão de que as democracias são mais pacíficas do que outras formas de governo. Os leitores em busca de uma alternativa inteligente para os brometos rançosos que dominam o pensamento atual sobre a defesa nacional encontrarão exatamente o que procuram neste livro notável!

O Socialismo de Ludwig von Mises é o exame crítico mais importante do socialismo já escrito.

O socialismo é mais famoso pelo penetrante argumento do cálculo econômico de Mises. O livro contém muito mais, no entanto. Mises não apenas mostra a impossibilidade do socialismo: ele defende o capitalismo contra os principais argumentos que os socialistas e outros críticos levantaram contra ele. Um sistema planejado centralmente não pode substituir alguma outra forma de cálculo econômico para os preços de mercado, porque tal alternativa não existe. O capitalismo é a verdadeira democracia econômica.

O socialismo aborda as questões contemporâneas da desigualdade econômica e argumenta que a riqueza pode existir por longos períodos apenas na medida em que os produtores ricos conseguem satisfazer os consumidores. Mises mostra que não há tendência ao monopólio em um sistema de mercado livre.

Mises analisa medidas de reforma, como previdência social e legislação trabalhista, que de fato servem para impedir os esforços do sistema capitalista para servir às massas.

O socialismo é uma verdadeira enciclopédia de tópicos vitais nas ciências sociais, todos analisados com a combinação única de erudição histórica e visão penetrante de Mises.

Nesta obra inédita, composta por diversos textos paralelos, Frédéric Bastiat desafia seus adversários contemporâneos — e de forma indireta, seus atuais sucessores — a defender o protecionismo, que o autor acusa de ser uma espécie de pré-comunismo. Mas isso está longe de ser tudo:

Bastiat também revela o caráter utopista e imediatista dos juristas, que tentam a cada novo projeto de lei implementar planos sociais que, para funcionar, iriam requerer mudanças fundamentais nas relações sociais, familiares e individuais; projetos tão quiméricos e megalomaníacos que exigiriam não uma difícil adequação dos cidadãos ou ferramentas tecnológicas avançadíssimas, mas algo ainda mais distante; exigiria a alteração daquilo que nem mesmo o mais sábio dos homens ousaria dizer que sabe definir: exigiria a alteração da natureza humana.

Com toda a grandiloquência e paixão que transborda direto de suas palavras, Frédéric Bastiat é capaz de conquistar a simpatia — quando não a confiança — até mesmo dos mais convictos defensores do comunismo e protecionismo. Sem dúvida um autor indispensável para aqueles que buscam o conhecimento, e principalmente a paixão, necessário para lutar pela liberdade.

Escrever esse livro foi um ato de paixão pela liberdade. Como assim? Explico. Esse projeto foi coordenado pela Universidade Libertária e escrito por uma equipe de grandes amantes da liberdade. A Universidade Libertária é uma organização que tem como missão divulgar as ideias da liberdade e fazê-las acontecer na prática. Ela se beneficiaria enormemente de possuir esse material na forma de cursos pagos, capitalizando até a mais ínfima palavra desse livro ao máximo. Ainda assim, você está em posse desse livro nesse momento. O que nos fez criá-lo?

Bem, a primeira resposta é porque queremos lucro. Sim. Capitalistas malvados fizeram um livro como uma aposta. Quanto mais livros sobre determinado assunto estiverem na mão das pessoas, maior a chance deles se interessarem em comprar cursos sobre assuntos parecidos. Genial, não é mesmo?

A segunda resposta é que fazemos porque queremos aparecer. Sim. Capitalistas malvados fizeram um livro para serem vistos. Queremos demonstrar à sociedade o que aprendemos sobre a liberdade e queremos ser vistos como referência do estudo da liberdade no Brasil e quem sabe, no mundo.

A terceira resposta é que fizemos porque nem lucro nem visibilidade importam tanto quanto o ego. É isso mesmo. Queremos dizer daqui a alguns anos que nós contribuímos para a formação de futuros líderes da liberdade para nossos amigos e parentes nos acharem o máximo por isso.

Dito isso, o livro foi feito com a intenção de ser no fim das contas uma porta de entrada para o processo de compreensão da liberdade. Começamos explicando o problema, descrevendo de que forma a sua liberdade é minada, continuamos explicando a solução para voltar a ser livre, avançamos explicando a teoria da liberdade mais a fundo, com as implicações da solução e terminamos demonstrando os caminhos para alcançar essa liberdade.

No fim das contas, a nossa ação egoísta irá beneficiar grandemente um número significativo de pessoas. Não é meio irônico, tendo em vista que as pessoas vivem falando que a liberdade é uma utopia, que a nossa ação egoísta seja no final das contas uma ação virtuosa? Com essa contradição interessantíssima, damos a você boas-vindas. Que encontre na liberdade um pedaço de ti.

Muito se discute acerca de quais são as principais instituições governamentais de manutenção e extensão do poder do estado sobre o indivíduo. 

 

Nesse livro, esclarece-se a verdadeira natureza do banco central, conta-se a história de como timidamente no inicio e em grandes braçadas depois, foi se tornando a principal forma de controle do estado sobre a economia e propõe-se uma solução definitiva para substituir o Banco Central! Esse livro é um “must-read” da economia austríaca e representa uma análise ainda atual das nuances que permeiam e circundam o Banco Central!

Esta obra engloba um dos grandes acontecimentos da história recente — e talvez até mesmo de toda a história humana —, mas que passou despercebido para o grande público geral: a Revolução Satoshi.

Muito se fala do Bitcoin como um ativo valioso, das criptomoedas como um investimento e nova moeda de troca. Mas nunca antes se falou do verdadeiro significado do Bitcoin, e muito menos da cripto em geral. Afinal, o que é que isso tudo representa? Seriam as criptomoedas mais que fenômenos meramente financeiros? E qual a implicação disso tudo  para a história das ideias? (se é que tem uma).

Nesta obra, Wendy McElroy, a principal pesquisadora da tradição austro-libertária e amiga pessoal de longa data de Murray Rothbard, o pai do libertarianismo, e de Edward Konkin, o pai do agorismo, mostra, através de diversos fatos históricos, de teorias austro-libertárias e anarquistas, que a Cripto vai muito além de um “milagre tecnológico”: a Cripto é uma arma revolucionária — e de uma revolução que, de forma silenciosa, atravessou as eras e as fronteiras regionais da história humana desde séculos passados até os dias de hoje.

A Revolução Satoshi é, sem dúvidas, diferente de tudo o que você já leu — tanto sobre Cripto quanto sobre revoluções. Essa obra prima histórico-teórico-econômica da Cripto não é, de forma alguma, apenas um tímido convite: é um caminho sem volta para uma revolução — A Revolução Satoshi.

Compreender as diversas “tecnicidades” do Bitcoin e da criptoeconomia pode sim te deixar rico, mas compreender as origens e o verdadeiro propósito por trás da Cripto vai fazer algo muito maior por você: vai mudar a forma como você enxerga o mundo.

Seja bem-vindo à Revolução.

Manual da Ação Libertária - John Galt

Este livro foi escrito por libertários que tem como objetivo auxiliar no processo pelo qual as pessoas se tornam livres para seguirem seus próprios objetivos e buscarem a felicidade.

Esperamos que ao final deste livro, que não é nada mais e nada menos do que um manual de estratégias políticas da ação direta libertária, você compreenda que não é necessário somente o exercício de nosso pensamento para a conclusão e a efetivação das nossas ideias, mas que é necessário praticar a liberdade e lutar por ela de todas as maneiras possíveis.