Sobre o Autor

Friedrich Hayek

Friedrich August von Hayek

Friedrich Hayek foi um dos protégés diretos de Ludwig von Mises, foi um dos economistas, de vertente austríaca, responsável por O Problema do Cálculo Econômico sob a Comunidade Socialista, além de enfatizar a importância da informação e do conhecimento na economia, e também do dinheiro como o transmissor deles. A “ordem espontânea” é outra de suas contribuições, junto da Análise Temporal da Estrutura de Produção (em contribuição com Knut Wicksell). Além disso, contribuiu para o reavivamento da Escola Austríaca em 1974, trazendo visibilidade à vertente austríaca com seu recebimento do Prêmio Nobel nesse mesmo ano. Sendo o primeiro economista não matemático e livre-mercadista a receber o Nobel.

Obras de Friedrich Hayek

Disponíveis em Inglês

* Datas das publicações originais.

Obras traduzidas pela Editora Konkin | PDF Gratuito

Esta obra engloba um dos grandes acontecimentos da história recente — e talvez até mesmo de toda a história humana —, mas que passou despercebido para o grande público geral: a Revolução Satoshi.

Muito se fala do Bitcoin como um ativo valioso, das criptomoedas como um investimento e nova moeda de troca. Mas nunca antes se falou do verdadeiro significado do Bitcoin, e muito menos da cripto em geral. Afinal, o que é que isso tudo representa? Seriam as criptomoedas mais que fenômenos meramente financeiros? E qual a implicação disso tudo para a história das ideias? (se é que tem uma).



Quem foi Friedrich August von Hayek?

Retirado de “The Hayek Centenary”, escrito por Murray Rothbard

A morte de F.A. Hayek aos 92 anos marca o fim de uma era, a era Mises-Hayek. Convertido do socialismo fabiano pela crítica devastadora de Ludwig von Mises, Socialismo, no início da década de 1920, Hayek assumiu seu lugar como o maior da brilhante geração de economistas e cientistas sociais que se tornaram seguidores de Mises na Viena da década de 1920, e que participaram no famoso privatseminar semanal de Mises realizado em seu escritório na Câmara de Comércio.

Em particular, Hayek elaborou a brilhante teoria dos ciclos econômicos de Mises, que demonstrou que os ciclos de expansão e recessão são causados, não por misteriosos defeitos inerentes ao capitalismo industrial, mas pela infeliz expansão inflacionária do crédito bancário impulsionada pelos bancos centrais. Mises fundou o strian Institute for Business Cycle Research em 1927 e nomeou Hayek como seu primeiro diretor.

Hayek passou a desenvolver e expandir a teoria dos ciclos de Mises, primeiro em um livro do final da década de 1920, Monetary Theory and the Trade Cycle. Ele foi trazido para a London School of Economics em 1931 por um influente misesiano inglês, Lionel Robbins. Hayek deu uma série de palestras sobre a teoria dos ciclos que tomaram o mundo da economia inglesa de assalto e foram publicadas rapidamente em inglês como Prices and Production.

Permanecendo em um posto permanente na London School, Hayek logo converteu os principais jovens economistas ingleses à visão misesiano-austríaca do capital e dos ciclos econômicos, incluindo keynesianos de renome como John R. Hicks, Abba Lerner, Nicholas Kaldor e Kenneth E. De fato, em dois longos ensaios de revisão em 1931-32 da magnum opus amplamente alardeada de Keynes, o Treatise on Money, em dois volumes, Hayek foi capaz de demolir esta obra e enviar Keynes de volta à prancheta para inventar outra ‘revolução’ econômica.”

Uma das razões para a rápida difusão das visões misesianas na Inglaterra na década de 1930 foi que Mises havia previsto a Grande Depressão e que sua teoria dos ciclos econômicos forneceu uma explicação para esse evento angustiante da década de 1930. Infelizmente, quando Keynes voltou com seu modelo posterior, o General Theory, em 1936, sua nova “revolução” varreu os tabuleiros, inundando a opinião econômica e convertendo ou arrastando quase todos os antigos misesianos em seu rastro.

A Inglaterra era então o prestigioso centro do pensamento econômico mundial, e Keynes tinha atrás de si a eminência da Universidade de Cambridge, bem como sua própria estatura na comunidade intelectual. Acrescente a isso o charme pessoal de Keynes e o fato de que sua teoria supostamente revolucionária colocou o imprimatur da “ciência econômica” por trás do estatismo e do aumento maciço dos gastos do governo, e o keynesianismo se mostrou irresistível. De todos os misesianos que haviam sido criados em Viena e Londres, no final da década de 1930 restavam apenas Mises e Hayek, como campeões indomáveis do livre mercado e oponentes do estatismo e dos gastos deficitários.

Nos últimos anos, Hayek admitiu que o pior erro de sua vida foi deixar de escrever o tipo de refutação devastadora ao General Theory que ele havia feito para o Treatise, mas concluiu que não havia sentido em fazê-lo, pois Keynes mudava de ideia com muita frequência. Infelizmente, dessa vez não houve demolição por parte de Hayek para forçá-lo a fazê-lo.

Se a teoria dos ciclos econômicos foi inundada pelo modelo keynesiano, o mesmo aconteceu com as críticas de Mises-Hayek ao socialismo, que Hayek também trouxe para Londres e para as quais contribuiu na década de 1930. Mas essa linha de argumentação foi encerrada no final da década de 1930, quando a maioria dos economistas passou a acreditar que os governos socialistas poderiam facilmente se envolver em cálculos econômicos simplesmente ordenando a seus gerentes que agissem como se estivessem participando de um mercado real de recursos. e bens de capital.

Durante a Segunda Guerra Mundial, em um ponto baixo nas fortunas da liberdade humana e da economia austríaca, no meio de uma era em que parecia que o socialismo e o comunismo inevitavelmente triunfariam, Hayek publicou The Road to Serfdom (1944). Ele conectou o estatismo do comunismo com o da social-democracia e do fascismo, e demonstrou que, assim como as pessoas que são mais adequadas para quaisquer ocupações chegarão ao topo nessas atividades, sob o estatismo, “o pior” inevitavelmente chegaria ao topo. Graças aos esforços de promoção financiados por J. Howard Pew da Sun Oil Company, então propriedade da Pew, o Road to Serfdom tornou-se extraordinariamente influente na vida intelectual e acadêmica americana.

O recebimento do Nobel por Hayek nessa época foi profundamente irônico, já que, após a Segunda Guerra Mundial, suas ideias começaram a divergir cada vez mais das de Mises e, assim, a ganhar aclamação dos Hayekianos tardios, que mal estão familiarizados com o trabalho que tornou Hayek eminente para início de conversa.

Na medida em que Hayek permaneceu interessado na teoria dos ciclos, ele começou a se engajar em desvios cambiantes e contraditórios do paradigma misesiano – variando de pedir a estabilização do nível de preços, em contraste direto com sua advertência sobre as consequências inflacionárias de tais medidas durante a década de 1920; para culpar os sindicatos em vez do crédito bancário pela inflação de preços; até inventar esquemas bizarros para indivíduos e bancos emitirem sua própria moeda recém-nomeada.

Cada vez mais, os interesses de Hayek mudaram da economia para a filosofia social e política. Mas aqui sua abordagem diferia notavelmente dos empreendimentos de Mises em esferas mais amplas. A obra de toda a vida de Mises é virtualmente uma teia sem costura, uma arquitetura poderosa, um sistema no qual ele acrescentou e enriqueceu a teoria monetária e dos cíclos por meio de teorias econômicas, políticas e sociais mais amplas. Mas Hayek, em vez de fornecer um sistema mais elaborado e desenvolvido, continuou mudando seu foco e ponto de vista de forma contraditória e confusa. Seu maior problema, e sua maior divergência com Mises, é que Hayek, em vez de analisar o homem como um ente racional, consciente e intencional, considerou o homem irracional, agindo virtualmente inconscientemente e sem conhecimento.

Como Hayek desprezava radicalmente a razão humana, ele não podia, como John Locke ou os escolásticos, elaborar um sistema libertário de direitos pessoais e de propriedade baseado nas percepções da razão humana sobre a lei natural. Tampouco ele poderia, como Mises, enfatizar a percepção racional do homem sobre a importância vital do laissez-faire para o florescimento e até mesmo a sobrevivência da raça humana, ou de renunciar a qualquer intervenção coercitiva na vasta e interdependente rede da economia de livre mercado.

Em vez disso, Hayek teve de recorrer à importância de obedecer cegamente a quaisquer regras sociais que tenham “evoluído”, e seu único argumento fraco contra a intervenção foi que o governo era ainda mais irracional e ainda mais ignorante do que os indivíduos na economia de mercado. .

É triste comentar sobre a academia e a vida intelectual nos dias de hoje que o pensamento de Hayek, possivelmente por causa de sua confusão, inconsistência e contradições, tenha atraído muito mais dissertações acadêmicas do que a consistência e clareza de Mises.

A longo prazo, no entanto, será muito óbvio que Mises nos deixou um grande sistema intelectual e científico para as eras, enquanto a contribuição duradoura de Hayek se resumirá ao que foi reconhecido pelo comitê do Nobel – sua elaboração da teoria dos ciclos misesiana. Além disso, Hayek deve sempre ser homenageado por ter a coragem de estar ombro a ombro com seu mentor, nos dias sombrios dos anos entre guerras e pós-guerra, contra os males gêmeos do socialismo e do keynesianismo.

Galeria de Fotos | Hayek