Hitler e a Economia

[Nota do Editor: Este artigo é um texto com base em uma palestra realizada por Thomas E. Woods Jr., em Auburn Alabama, no conhecido Mises University que ocorreu em 2018; a palestra tem o título de Hitler and Economics (Hitler e a Economia) e pode ser conferida na integra aqui. Vale ressaltar que o Sr. Woods utiliza de bastante ironia ao decorrer do texto, e que algumas leves alterações foram feitas para adaptar ao conteúdo escrito. E logo mais, será disponibilizada a palestra com a transcrição no Canal do Youtube da Universidade Libertária.]

O título que eu tenho para hoje é um tanto não claro, não é? O que em nome dos céus poderia eu estar falando sobre aqui? Eu não estarei primariamente falando sobre a política econômica Nazi, embora um pouco dela virá. Mas eu quero olhar mais para o quadro geral, em uma visão geral do que a filosofia econômica, tal como era, de Hitler realmente era.

E eu quero fazer isso simplesmente porque Hitler se tornou, especialmente na era da internet, quase que uma figura cartunesca que todos repetem de modo pejorativo, por boas razões e geralmente por razões idiotas. Se vocês estão realmente estressando alguém, ele começa a te chamar de “Hitler” ou “como Hitler” ou “se aproximando de Hitler”, ou o que quer que seja. Todo mundo é Hitler. Se você é um vegetariano, você é [chamado de] Hitler porque ele era um vegetariano. Se você quer guerra, você é Hitler. Mesmo se você não quer guerra, você é Hitler. Eu acho, vocês sabem, eu não quero guerras de modo nenhum e eu sou Hitler. Eu não entendo como isso poderia ser. Quero dizer, não era o militarismo tipo central à coisa toda?

De qualquer forma, olharei mais amplamente ao pensamento econômico e talvez um tanto à filosofia social, com uma pitada de diretrizes no meio. E farei isso como digo parcialmente porque o termo fascismo, e em uma extensão menor Nazi, passaram a ser usados como termos genéricos pejorativos. E quando são assim aplicados, são, deveríamos dizer, mais obscurecedores do que clarificadores?!

Eu tenderia a pensar que se eu fizesse uma pesquisa com o público geral sobre a definição de fascismo, eu provavelmente não conseguiria algo muito próximo à definição do dicionário. Assim, eu pensei: raios! não machucaria. E francamente alguns dos tipos de temas que falarei sobre podem ser ouvidos em alguns setores do espectro ideológico “lá fora” até mesmo hoje e é quase spooky quão similar eles são. 

Eu me lembro, quando eu estava lecionando pela primeira vez, eu estava adquirindo meu PhD, mas eu havia pego um trabalho no ínterim em uma faculdade da comunidade. E naquela faculdade eu era exigido marcar as presenças. E eu pensei que era simplesmente um insulto ter fazer isso na faculdade, vocês sabem, mas certo, tem-se de fazer, era o que eles me pediam para fazer. Mas o que eu fiz foi passar uma folha de papel e ter as pessoas assinando seus nomes, e então apenas ignorei o pedaço de papel e o joguei de lado.

De qualquer forma, eu estava lendo, porque eu ensinava sobre a civilização ocidental, era a segunda metade, estávamos no século XX. Estávamos passando pela plataforma Nazi de 1920, que tem vinte e cinco pontos nela. E eu, vocês sabem, queria o feedback deles. Estamos falando disso como um documento de fonte primária, e lá se pode ver algumas coisas que quase todos favoreceriam. Quero dizer, qualquer democrata-social favoreceria, tipo pensão de velhice, por exemplo. E eu pensei que coisas como aquelas provavelmente surpreenderiam eles, porque eles favorecem pensões de velhice. E eu não estava tentando dizer que se é Hitler porque quer uma pensão de velhice, mas era só para mostrar que, vocês sabem, Hitler e os Nazis tomavam como garantidas muitas das suposições sociais-democratas, mesmo se eles acreditassem muitas outras coisas que, vocês sabem, hoje não acreditamos.

Bem, de qualquer forma, eu tinha de pegar a presença naquele dia e eu apenas tinha um pedaço de papel, e eu passei para eles para assinar. E quando voltei, percebi que tinha acidentalmente feito eles assinar a plataforma Nazi de 1920. Foi um erro, mas fiquei com ele caso precisasse chantagear qualquer um deles.

Certo… Agora, uma coisa que se pode perceber quando começa a juntar evidência documentária, é que os fascistas de todos os tipos viam a economia como muito subordinada a outras questões. Eles viam-na como completamente mundana. Eles viam-na como uma ciência falsificada, não uma ciência real. E assim, eu quero falar um pouco no começo sobre o que eles pensavam da economia per se.

(Antes de fazer isso, tenho medo de que irei esquecer. Então, deixe-me fazer isso agora.) Se vocês estão interessados neste tópico geral, há três livros que eu recomendaria para vocês. (E eu ia escrever o nome deles, mas esqueci de arrumar isso, e não sei como funciona. Eu sou muito low-tech.)

Assim, o primeiro livro que recomendaria para vocês foi recomendado a mim por Ralph Raico. Agora, se se é um real viciado no Mises Institute, você conhece Ralph Raico: grande historiador europeu, morreu a não muito tempo atrás e [a morte dele] foi uma real perda, com certeza. Mas anos atrás, eu havia perguntado a ele uma fonte sobre isso e ele me deu. E o último nome do autor é Zitelmann, e o livro é chamado Hitler: The Policies of Seduction. Ele tem um material realmente excelente, e particularmente o capítulo quatro é muito, muito bom sobre essa matéria.

O segundo livro que gostaria de recomendar está disponível na livraria aqui e eu acredito que online. É um livro antigo por um cara chamado Günter Reimann. E tem um dos meus títulos de livro favorito de todos os tempos: The Vampire Economy. (Eu amo esse título. Eu nem sei o que quer dizer, mas é ótimo.) e o subtítulo é: “Doing Business under Fascism”. O que é interessante sobre Reimann é que, vocês podem não saber, vocês não necessariamente saberiam ao ler o livro, porque eu li sem saber disso: ele não é um cara do livre mercado. E ele está se queixando sobre esses controles no setor privado e como o regime Nazi era opressivo. Ele era um membro do Partido Comunista Alemão. (Bizarro…) Assim, eu sou um tanto cético sobre as lágrimas de crocodilo dele sobre oprimir o setor privado, mas é um bom estudo, então eu o aceito. Vocês sabem, não existem muitos. Eu o levarei.

Então, há um terceiro e eu o deixarei aqui. O último nome do cara é Tooze e o livro é chamado de The Wages of Destruction. E esse é o tipo de uma história da política econômica Nazi e da economia alemã durante a década de 30. Então, eu definitivamente começaria com essas fontes.

Certo, vamos retornar ao ponto. Se vocês lerem um ensaio de Mises, que pode ainda ser uma das leituras exigidas para o Mises University, chamado de The Historical Setting of the Austrian School of Economics vocês ficarão familiares com a chamada Escola Histórica Alemã e com o bem conhecido debate sobre método econômico que ocorreu no fim do século XIX. E os antagonistas primários naquele debate eram Carl Menger, pela Escola Austríaca, e Gustav von Schmoller, pela Histórica Alemã.

E esse debate girava em torno do que realmente a economia é. Devemos conceber a economia como sendo um série de proposições que se aplicam através do tempo e do lugar? Ou devemos, em vez disso, pensar nela como uma série de regularidades empíricas que podem diferir no tempo e lugar? Pode ser que algumas pessoas, com efeito, tenham, eles não diriam leis econômicas, mas regularidades econômicas diferentes, raças diferentes podem ter regularidades econômicas diferentes. 

Assim, os Austríacos estavam tentando — embora Mises, e vocês podem dizer isso do que ele tem a dizer sobre Menger, não estava inteiramente satisfeito com a performance de Menger naquela troca. Mas os Austríacos estão tentando tomar a visão alternativa aqui, de que se pode abstrair de características individuantes (como raça e nação, tempo e lugar) para adquirir verdades universais. Isso foi para frente e para trás por algum tempo. Agora, ao enquadrar o debate de tal forma, vocês provavelmente podem dizer onde os Nazis ficam nele. A ideia de que vamos subscrever a uma série de proposições abstratas não vai funcionar.

Assim, Mises, na verdade, naquele ensaio traça o pensamento da Escola Histórica Alemã desde Schmoller ao próprio Hitler. Ele não se envergonha de fazer isso. Porque é de tal forma que Hitler pensa a economia, não há teoria aqui. Até o ponto que ele pensa na economia como uma disciplina, há vezes que parece pensar que ela é uma ciência fingida e criada por judeus para “nos escravizar”. Mas além disso, como todo ditador pensa, a ideia de que há uma lei econômica que pode impor restrições sobre a minha vontade é, é claro, um insulto e não pode ser considerada. Ela tem de ser rejeitada; a assim chamada lei econômica. Aqui, Hitler em 1937 (e, a propósito, haverá muitas passagens porque não quero que haja qualquer possibilidade de eu embelezar ou editorializar qualquer coisa que ele diz sobre, eu vou apenas citar as próprias palavras dele) diz: “Eu não vou lhes dizer que no lugar dessas teorias econômicas eu irei avançar uma teoria econômica Nacional Socialista. Eu gostaria de evitar inteiramente o termo teoria. Sim, eu gostaria ainda de dizer que o que irei dizer hoje não é sequer intencionado como uma teoria. Porque se eu reconhecer qualquer dogma que haja no setor econômico, será apenas o dogma de que não há dogmas nesse setor, não há sequer teoria.”

E agora eu gostaria de compartilhar com vocês uma das minhas passagens favoritas, embora não estritamente econômica, de Mises. Porque quando Mises se levanta para defender a economia contra anti-economistas como o que vocês acabaram de ler, ele fica em sua maior paixão. Porque, algumas vezes, Mises pode ser muito restringido e científico e, noutras — mesmo que ferva o sangue cavalheiresco, vocês sabem, de Viena e aqui isso, quando pessoas falam assim, o deixa louco — [cavalheiresco]. Assim é como quão cavalheirescamente Mises responde a esse tipo de pensamento. Ele diz: “A questão tem sido ofuscada pelas tentativas dos governos e grupos de pressão poderosos de depreciar a economia e difamar os economistas. Déspotas e maiorias democráticas estão embebidos com o poder. Eles precisam relutantemente admitir que estão sujeitos às leis da natureza, mas eles rejeitam a própria noção de lei econômica. Não são eles os legisladores supremos? Não têm eles o poder de esmagar todos os oponentes? Nenhum senhor da guerra está prostrado a reconhecer quaisquer limites outros do que aqueles impostos por ele através de uma força armada superior. Escrevedores servis estão sempre preparados para fomentar tais complacências ao expor as doutrinas adequadas. Eles chamam suas suposições distorcidas de ‘economia histórica’. De fato, a história econômica é um registro longo das políticas governamentais que falharam porque foram designadas com uma sagaz desconsideração pelas leis econômicas.” E então ele diz: “É impossível entender a história do pensamento econômico se não se presta atenção ao fato que a economia como tal é um desafio à arrogância daqueles no poder, e economistas nunca podem ser favoritos de autocratas e demagogos. Com eles, ele é sempre o fazedor de travessura, e quanto mais eles são convencidos internamente de que as objeções dele são bem fundadas, mais eles o odeiam.”

(Oh. Eu simplesmente amo essa.) Mas então, eu gosto disso na verdade porque é um parágrafo um pouco mais babaca, mas chega ao coração disso ainda mais. Ele diz: “Se alguém tenta refutar a crítica devastadora feita pela economia contra a adequação de todos esses esquemas intervencionistas, é-se forçado a negar a própria existência, para não mencionar as alegações epistemológicas, de uma ciência da economia e da praxiologia também. Isso é o que todos os defensores do autoritarismo, do governo onipotente e das políticas de ‘bem-estar’ sempre fizeram. Eles culpam a economia por ser abstrata e defendem um modo de visualização de lidar com os problemas envolvidos. Eles enfatizam que as questões neste campo são muito complicadas para serem descritas em fórmulas e teoremas. Eles afirmam que as várias nações e raças são tão diferentes umas das outras que suas ações não podem ser compreendidas por uma teoria uniforme. Existem tantas teorias econômicas necessárias quanto nações e raças. Essas e outras objeções semelhantes são avançadas para desacreditar a economia como tal.”

Assim, a economia como tal, devidamente entendida, está promovendo declarações que são universalmente aplicáveis, em oposição àqueles que tentariam limitar essas declarações particularmente por raça, nação, período de tempo e assim por diante. Então Mises aponta, a propósito, que se você seguir a linha de pensamento da Escola Histórica Alemã, você a segue desde os primeiros dias de Schmoller e vai até Werner Sombart, ele diz que Sombart coroou uma carreira literária de 45 anos com um livro sobre o socialismo alemão cuja ideia orientadora é que o Führer recebe ordens de Deus, que é o supremo Führer do universo. E, com efeito, Mises diz, vocês sabem, que há uma boa maneira de terminar 45 anos de escrita, você escreve um livro tolo como esse, vocês sabem, adorando Hitler. Mas, de certa forma, isso está apenas seguindo Schmoller, que era, vocês sabem, eu não diria adorador, mas extremamente idólatra em relação aos Hohenzollerns.

Bem, vemos isso ainda hoje em alguns círculos onde ouvimos o laissez-faire descrito tanto na extrema esquerda quanto na chamada extrema direita: o laissez-faire é abstrato e sem alma, essas são apenas proposições abstratas. E, além disso, também ouvimos, principalmente na extrema direita: Veja, enquanto tivermos um estado, não devemos ser como esses libertários covardes que só querem abdicar. É melhor sermos realistas, tomar as rédeas desse Estado e garantir que direcionemos os seus poderes a favor dos interesses do povo.

O engraçado é que eles nos chamam de ingênuos e querem promover a ideia de que, se colocarmos pessoas boas no poder, garantiremos que os interesses das pessoas sejam observados. (Não tenho certeza, não tenho certeza se caio nessa.) Então, quando Hitler se aventura em questões específicas de economia, bem, ele é, de outro modo, não sistemático e desleixado. E por que ele não seria? Não há teoria econômica para estudar, então ele pode meio que, vocês sabem, falar besteiras como seus amigos no Facebook sem nenhum treinamento econômico. (Não estou dizendo que seus amigos do Facebook são Nazis.)

No entanto, estou dizendo que seus amigos do Facebook estão errados sobre os nazistas. (Certo, aqueles de vocês que lêem meus e-books gratuitos conhecem essa referência, okay) Ele não gostava do padrão-ouro, por exemplo, então na política monetária, nada de padrão-ouro. (Eu sei que vocês estão chocados. Se vocês estiverem infartando, temos paramédicos de prontidão se alguém desmaiar.) Que tal isso? Eu me pergunto por que Hitler não gostaria do padrão ouro. (Nossa, vocês sabem.) E nós somos ridicularizados por isso e é claro que na realidade eu sou a favor de uma abordagem muito mais radical do que o padrão-ouro. Eu sou a favor da separação total entre dinheiro e estado, mas vou ficar com o padrão-ouro se isso for tudo que eu conseguir. E somos ridicularizados por isso, como é terrível e retrógrado.

Mas o engraçado é que Hitler também achou terrível e retrógrado. Isso não significa que seja bom. Mas, vocês sabem, se vocês forem ficar do lado de Hitler em uma coisa tão, tão importante, vocês deveriam pelo menos considerar: “bem, hmm… talvez haja um outro lado nisso”. Bem, então ele se refere a isso como uma “teoria financeira virtualmente santificada”. Ele diz — e mostrando que não tem compreensão das questões envolvidas — que: “Hoje sorrimos sobre uma época em que nossos economistas políticos realmente acreditavam que o valor de uma moeda dependia da quantidade de ouro e reservas de moeda estrangeira acumuladas nos cofres dos bancos estatais e que era garantida por eles. Aprendemos, em vez disso, que o valor de uma moeda está na capacidade produtiva de uma nação, que aumentar a produção é o que sustenta uma moeda, até a revaloriza sob certas circunstâncias.”

Então, eu falei com um dos membros do corpo docente sobre isso hoje, e eu disse: O que você acha que ele está dizendo aí? E esse membro do corpo docente disse: Bem, se estamos sendo o mais generosos possível, e eu disse: Nossa, isso é muito caridoso, vamos ser o mais generosos possível com Hitler. Assim, para não caracterizar, o que ele poderia querer dizer com isso? O melhor que conseguimos foi: Bem, o que ele está dizendo é que digamos que a oferta de dinheiro aumentou. Mas se a oferta de bens também aumenta, então há um aumento na demanda por dinheiro e… vocês sabem, tanto faz. Você pode estabilizar o dinheiro e o poder de compra e outras coisas no final da produção de bens. Portanto, há mais mercadorias, mas há mais dólares — ou, vocês sabem, mais marcos ou qualquer outra coisa — circulando, mas há mais mercadorias para levar esses dólares, então você ainda pode ter estabilidade. Mas, mais cedo ou mais tarde, se você continuar inflando a moeda, não há como continuar produzindo bens suficientes para igualar isso, para que não fique completamente fora de controle.

É uma teoria meio excêntrica, mas que tal isso? Ele afirma, com efeito, que muitas questões econômicas são simples. Elas são apenas complicadas pelos judeus. “Então todas essas coisas são naturais e simples, só que você não deve deixar um judeu brincar com elas. A base da política comercial judaica é tornar os negócios normais incompreensíveis para um cérebro normal. Você começa estremecendo diante da sabedoria dos economistas políticos. Se alguém se recusa a jogar junto”, em outras palavras, se alguém se recusa a aprender economia, “você diz que essa pessoa é analfabeta. Falta-lhe um conhecimento superior. Na realidade, esses termos foram inventados para que você não entenda nada. Apenas os professores ainda não perceberam que o valor da moeda depende da quantidade de bens que sustentam a moeda.” Então nós ainda entendemos isso… Ele tem mais algumas coisas monetárias que são meio malucas… Uma espécie de maluquice monetária de Hitler. Mas um tema importante em sua economia política geral é resumido na frase: “A primazia da política sobre a economia”. E sem sequer elaborar isso, você provavelmente pode adivinhar do que se trata. Lá atrás, em Mein Kampf, Hitler criticava a ideia — e agora são suas palavras — de que o Estado é antes de tudo uma instituição empresarial, deve ser governado de acordo com os interesses empresariais e, portanto, também depende dos negócios para sua existência. A política é suprema sobre a economia. E isso faz sentido no esquema geral do fascismo, seja em sua forma italiana ou alemã. Porque quando pensamos em: Quais são as ideias que motivam o fascismo… Bem, muito disso surgiu na época da Primeira Guerra Mundial. No rescaldo da Primeira Guerra Mundial, as pessoas olharam ao redor da Itália, digamos, e a Itália tinha, vocês sabem, ainda diferenças regionais bastante perceptíveis.

Mas durante a guerra havia essa sensação de que, se você fosse siciliano, lombardo ou piemontês ou o que quer que fosse, todos se uniram em um único esforço nacional e que isso estava revivendo o povo italiano de maneiras realmente emocionantes e importantes. E assim, em tempos de paz, precisamos ter o mesmo tipo de compromisso com a organização e talvez a supressão das diferenças regionais, mas reforçando a ideia da unidade italiana mais uma vez. E pensar no Estado, aliás, como esse veículo, quase que um veículo divino através do qual se desenrola o destino do povo. Bem, os negócios parecem tão mundanos, parecem tão banais comparados à realização de nosso grande destino como povo. Assim, refletindo isso, temos Hitler dizendo: “Os negócios não constroem Estados. As forças políticas constroem Estados”. (Bem, fico feliz que eles admitam isso.) “Os negócios nunca podem substituir a força política, e se uma nação não possui força política, sua economia entrará em colapso. Os negócios são mais onerosos do que edificantes. Hoje, vê-se alemães, especialmente nos círculos da classe média, que sempre dizem que os negócios vão forjar nossa nação unida novamente. Não. Os negócios são um fator que tem mais probabilidade de dividir uma nação. Uma nação tem ideais políticos. Mas se uma nação vive apenas para os negócios, os negócios devem, portanto, afundar uma nação porque nos negócios os empregadores e empregados sempre se opõem.”

Mas vocês vêem, quando pensamos em coisas mais elevadas, em vez do mundo mundano de compra e venda, essas distinções de classe desaparecem. Veja, somos todos alemães agora. Não temos que pensar nas coisas que nos dividem. Ele disse que a regra da força dos economicamente mais poderosos deve ser substituída pelos interesses superiores da comunidade. Novamente um tema importante: que o bem público que será definido pelo Estado (essa é uma dessas palavras escorregadias que às vezes os conservadores querem que você aceite: ‘o bem público, o bem público’, quem define o bem público? sociopatas que me taxam? Err, não, obrigado) e precisamos subordinar isso, precisamos subordinar seus interesses individuais ao bem público que definiremos. Bem, essa é a visão dele e essa é a visão de todo social-democrata. 

Ele [Hitler] diz: “Todas as tarefas gigantescas, que não apenas as necessidades econômicas do presente nos mostram, mas também um olhar crítico para o futuro, só podem ser concluídas se sobre a mente egoísta do indivíduo, o orador dos interesses da comunidade prevalece e sua vontade conta como a decisão final.” Nós vemos isso, quero dizer, até certo ponto ele reconhece que você precisa de negócios, mas tem que ser absolutamente subordinado ao poder político. E em um minuto veremos a opinião dele de que: Se você não fizer o que eu lhe peço, então eu até assumo isso.

Assim, de fato, a certa altura, Hitler diz: “Nosso socialismo é muito mais profundo do que o deles”. Porque, com efeito, ele diz: Quem precisa nacionalizar as fábricas e os bancos se socializarmos as pessoas. Se elas fizerem tudo o que eu pedir para elas fazerem, então eu não preciso assumi-las. Na verdade, ele diz – vou citar isso mais tarde – contanto que vocês façam tudo o que eu disser, vocês podem manter suas coisas. Mas até que ponto ainda são suas coisas se você tem que fazer tudo o que ele diz? (Eu não faria essa pergunta naquela época se fosse você.) Mas mesmo no campo da arquitetura — quero dizer, aqui está uma passagem spooky —, ele na verdade diz que se seu horizonte mostra apenas hotéis e prédios de escritórios e coisas desse tipo — novamente, que mundano — você não pode falar de arte ou cultura. Precisamos que o estado construa um grande edifício bonito.

Assim ele diz: “É impossível dar a uma nação uma forte segurança interna se os grandes edifícios públicos não se sobrepuserem muito às obras que devem sua criação e manutenção mais ou menos aos interesses capitalistas dos indivíduos”. (Vocês estão pegando a ideia de que esse cara é anticapitalista até certo ponto? E, no entanto, não é histérico que sejamos chamados de nomes terríveis. Estamos tão longe disso! Certo!?)

Então, ele diz: “Está fora da questão de trazer os edifícios monumentais do Estado ou do movimento a um tamanho que equivale ao de dois ou três séculos atrás, enquanto, por outro lado, as expressões de criações burguesas na área da construção privada ou mesmo puramente capitalista aumentaram e cresceram muitas vezes mais. Enquanto as vistas que caracterizam nossas cidades hoje têm lojas de departamentos, mercados, hotéis, prédios de escritórios na forma de arranha-céus e assim por diante como seus destaques, não se pode falar de arte ou mesmo de cultura genuína.”

E ele diz: “Durante a era burguesa, o embelezamento arquitetônico da vida pública foi retido em favor dos objetos da vida empresarial capitalista privada. A grande tarefa histórica cultural do nacional-socialismo será exatamente afastar-se dessa tendência.

E então, outras citações apenas para solidificar o ponto: “Uma das tarefas mais urgentes”, diz ele, “para atingir nossos objetivos pode ser dividida em dois pontos. O interesse do Estado precede o interesse privado. Número dois, se surgir a questão entre interesse estatal e interesse privado, será decidida em favor do interesse do Estado” (vocês sabem disso) “e por uma autoridade que é completamente independente”. (Tenho certeza de que será completamente independente.)

Agora, esta é como aquele “você não construiu isso”. Ele diz: “A visão de que a utilização de uma fortuna, não importa o tamanho, é apenas assunto privado do indivíduo, deve ser corrigida ainda mais no estado nacional-socialista, porque sem a contribuição da comunidade nenhum indivíduo teria sido capaz de gozar de tal vantagem.” Então você realmente não ganhou isso. (Ahh. Que tal isso? Agora, se eu tivesse citado isso…)

Há um vídeo engraçado no YouTube de uma criança que foi a algum comício progressista e ela pegou algumas citações de Hitler como essa e começou a gritar através de um megafone e aqueles idiotas estavam todos batendo palmas. Sim, estamos fartos e cansados ​​do estado não ficar com essas pessoas.

Mas agora chegamos a essa ideia de que — eu vou intervir se necessário — o direito de dispor de forma totalmente livre daquilo que deve ser investido no interesse da comunidade nacional (bem, não podemos dizer que um indivíduo tenha esse) se ele dispor de suas propriedades de forma sensata, tanto melhor. Se ele não agir com sensatez, o estado nacional-socialista intervém. (Adivinhe quem define o que constitui o sensato? Hmm, de fato.)

Agora, é difícil saber todo o escopo das opiniões de Hitler antes de 1933, porque ele se esforçou para ser sigiloso sobre elas, para não ofender os empresários. E ele deixou claro para alguns de seus colegas “que temos que manter isso em segredo porque então, vocês sabem, não queremos ser combatidos ativamente por forças poderosas”. Então ele diz: “O que eu disse o tempo todo é que essa ideia não é para se tornar um assunto para propaganda ou mesmo para qualquer tipo de discussão, exceto dentro do grupo de estudo mais interno. Ela só pode ser implementada em qualquer caso quando nós tivermos o poder político em nossas mãos. E mesmo assim teremos como adversários, além dos judeus, toda a indústria privada, particularmente a indústria pesada, bem como os médios e grandes proprietários de terras e naturalmente os bancos.

Agora, se fosse realmente verdade como os comunistas tentam afirmar que o fascismo é apenas a forma mais desenvolvida e degenerada de capitalismo, por que ele temeria ser combatido pela indústria privada, indústria pesada, proprietários de terras médios e grandes e os bancos? (É quase como se os comunistas não entendessem nada de fascismo.)

Ele diz, novamente em particular: “Estamos vivendo”, isto é em 1930, “no meio de uma reviravolta, que está levando do individualismo e do liberalismo econômico ao socialismo”. E novamente: “Em todos os negócios, em toda a vida de fato” (toda a vida?) “teremos que acabar com o conceito de que o benefício para o indivíduo é o que é mais importante e que do interesse próprio do indivíduo se constrói o benefício para o todo. O oposto é verdadeiro: o benefício para a comunidade determina o benefício para o indivíduo. O lucro do indivíduo só pesa sobre o lucro da comunidade. Se esse princípio não for aceito, então deve necessariamente desenvolver-se um egoísmo que destruirá a comunidade.” (Eu sempre perco quando políticos falam sobre egoísmo. Bem, eu acho que você saberia.) Ele diz que o trabalho do Ministro da Economia é apresentar as tarefas da economia nacional, e então a economia privada terá que cumpri-las. Se o setor privado não cumprir, lemos isto: então o estado nacional-socialista saberá como resolver essas tarefas. (Uhhh… Meio arrepiante.)

Então, na mente de Hitler, existem duas doutrinas concorrentes fundamentalmente em ação. A número um é essa ideia da primazia da política sobre a economia. Por outro lado, por muito tempo competindo contra essa em sua mente está a ideia de que há algo a ser valorizado no laissez-faire e essa é a ideia de competição econômica. Porque ele acredita que a competição pode ser frutífera para o crescimento econômico e ao progresso. E ademais, sendo um Darwinista social, ele acha que a competição é realmente como a grandeza acontece. E os grandes são recompensados ​​e os não tão grandes não são recompensados. E assim a nacionalização total da economia, pensa ele, suprimiria indevidamente essas características salutares.

Mas, com o passar do tempo, fica claro que a primazia da política sobre a economia está realmente chegando mais à frente de seu pensamento. E suas hesitações sobre a nacionalização estão diminuindo gradualmente. Particularmente, à medida que a Segunda Guerra Mundial continua e ele observa o que pensa ser o sucesso do modelo soviético. E ele começa a pensar: Bem, você sabe que não podemos ser dogmáticos sobre economia. Lembre-se disso. Temos que ver o que funciona. Temos que ver o que o homem de ação é capaz de implementar.

Então terei algo a dizer em alguns minutos sobre o que Hitler pensava de Stalin. Mas ele é muito mais amigável com Stalin do que, digamos, nós nesta sala poderíamos ser. (Ok.) Então você pode continuar e continuar [etc.] com passagens de Hitler falando sobre como os negócios devem estar a serviço do Estado e não o contrário. Quer dizer, eu suponho que esse ponto é feito.

Mas em termos de economia planejada, ele começa a ver que há mérito nisso. Se não completamente planejada e nacionalizada, certamente com algum tipo de plano abrangente. Na verdade, existe um plano de quatro anos implementado na segunda metade da década de 1930. E no decorrer da guerra, ele deixa bem claro que, embora haja uma intensificação do planejamento que ele acredita ser exigido pela guerra, isso não significa que quando a guerra acabar o Estado não continuará planejando. Estamos apenas começando, disse ele.

Aqui está ele: “Se a Alemanha pretende viver, então deve administrar toda a sua economia de uma maneira clara e planejada. Não podemos administrar sem um plano. Se deixássemos que as coisas ocorressem de acordo com o princípio de que todos podem fazer como gostam, em pouquíssimo tempo essa liberdade acabaria em uma terrível fome. Não, temos que conduzir nossos negócios e administrar nossa economia de acordo com o planejado. Portanto, o governo nacional-socialista não pode depender de nenhum interesse individual. Ele não pode ser dependente da cidade ou do campo; nem dos trabalhadores nem dos empregadores. Não pode depender da indústria, do artesanato, do comércio ou das finanças. Só pode aceitar uma obrigação: apenas a nação é nossa senhora. E nós servimos essa nação com o melhor de nosso conhecimento e crença.

E então falando sobre o plano de quatro anos em 1936 (esse é um plano onde eles vão ter mais obras públicas, e o estado vai controlar o comércio internacional e eles vão incentivar algumas indústrias e assim por diante, bem como o rearmamento, é claro) ele diz: “A economia alemã aprenderá a entender as novas tarefas econômicas ou se mostrará incapaz de continuar a sobreviver nestes tempos modernos em que o estado soviético monta um plano gigantesco. Assim você vê de longe, essa admiração pelo sistema soviético.

Em 30 de janeiro de 1937, que é o aniversário de quatro anos de sua tomada do poder, vemos que ele está ficando cada vez menos cético em relação à economia planejada. Ele diz, novamente, repetindo seu tema anterior: Não há conceito ou visão econômica que possa ser considerada, que possa reivindicar ser evangelho. O que é decisivo é a vontade de atribuir sempre aos negócios o papel de servidores do povo. O nacional-socialismo é o desvio mais acentuado do ponto de vista liberal de que os negócios existem para o capital e as pessoas para os negócios. E então ele continua, ele diz que uma economia livre — em outras palavras, completamente entregue a si mesma — não pode mais existir hoje. (Quão mais claro o cara pode ser?)

Ele diz: isso não só será politicamente intolerável, mas, economicamente, resultaria em condições impossíveis. E então o que ele argumenta em uma passagem muito longa é que, ele diz, quando você deixa a economia por conta própria, você tem, por exemplo, invenções novinhas em folha que podem desconcertar completamente indústrias inteiras e então as pessoas sofrem. Ou digamos que uma empresa gigante pode fechar suas portas, e então todos esses funcionários sofrem. E então, enquanto isso, o estado vai cuidar dessas pessoas? Claro que devemos cuidar delas.

Mas não pode ser que tenhamos apenas a responsabilidade de cuidar das pessoas que foram deslocadas pelas forças dos negócios. Precisamos, portanto, estar encarregados da direção dos negócios em primeiro lugar, para que pudéssemos evitar esse deslocamento. Se ficarmos aqui segurando o saco após os negócios esvaziarem alguma cidade e depois deixá-los sem emprego — bem, isso não é justo. Se o Estado pudesse ter dirigido aquela indústria e aquela firma ou ditado a ela, então talvez pudéssemos ter evitado a catástrofe. Então talvez seja assim que deveríamos estar pensando. E é assim que ele está pensando.

Assim, também não estamos lidando com frases como liberdade da economia. (Oh, não diga. Realmente, não estamos?) Então, novamente, um emprego sensato dos poderes de uma nação só pode ser alcançado com uma economia planejada de cima. E então ele diz, em 1941, então a guerra está acontecendo, mas ele deixa claro que não é por isso que isso está acontecendo. Ele diz que, no que diz respeito ao planejamento da economia, ainda estamos muito no começo. E imagino que será algo maravilhosamente bom construir uma ordem econômica europeia alemã abrangente.

E então ele diz que, ele fala em 1942, a capacidade da nação alemã para lidar com vários problemas, ele atribui isso ao fato de que: “A direção da economia”, essas são suas palavras, “aos poucos se tornou mais controlada pelo estado. Só assim foi possível fazer valer os objetivos nacionais gerais contra os interesses de grupos individuais. Mesmo depois da guerra, não poderemos renunciar ao controle estatal da economia, porque então cada grupo de interesse pensaria exclusivamente na realização de seus desejos.” E novamente do ponto de vista do fascismo, não pode haver interesse individual. Há o interesse da nação e isso é tudo que conta. E a nação na prática é o estado.

Então, em julho de 1942, era preciso ter, era preciso ter um respeito incondicional por Stalin. Um incondicional! Não “bem, tudo bem, você sabe, ele fez algumas coisas ruins”. Não um condicional. Um respeito incondicional por Stalin. Ele diz: “Do jeito dele, o cara era um gênio!” “Seus ideais, como Genghis Khan e assim por diante, ele conhecia muito bem e seu planejamento econômico era tão abrangente que só foi superado por nosso próprio plano de quatro anos.” (Quero dizer, você sabe, ele é um gênio e tudo, mas ele não é nenhum Hitler parece ser a mensagem.) “Ele não tinha dúvidas de que não havia desempregados na URSS, ao contrário de países capitalistas como os Estados Unidos.” (Acho que quando você tem campos de trabalho, todo mundo encontra trabalho.)

Então, em 1945: “A era do liberalismo econômico irrestrito sobreviveu a si mesma.” E depois diz: “A crise dos anos 30 foi apenas uma crise de crescimento, ainda que de proporções globais. O liberalismo econômico revelou-se uma fórmula ultrapassada”. Então tudo que a gente acredita estava morto, ultrapassado, para não ser mais seguido, absurdo, ridículo, fruto do século XIX. Então, novamente, quando seus amigos do Facebook estão apenas jogando essas palavras descuidadamente, agora você sabe, ainda mais do que pensava, como eles estão sendo ridículos e insanos. Quer dizer, não é como se eu tivesse que desenterrar três frases. Eu não sei nem por onde começar ou terminar com todas essas coisas.

Então, 1937, agora vamos ler Goebbels escrevendo em seu diário: “Almocei com o Führer” (eu me pergunto como foi, vamos descobrir.) Um “grande grupo à mesa. Os chamados líderes industriais estão sob pesado ataque. Eles não têm a menor ideia sobre economia política real. Eles são estúpidos, egoístas, anti-nacionais e mesquinhos. (Muito diferente, você sabe, do aparato estatal.) “Eles gostariam de sabotar o plano de quatro anos por covardia e preguiça mental. O Führer ataca fortemente os barões industriais que ainda praticam uma reserva silenciosa contra o plano de quatro anos. Ai para a indústria privada se não se enquadrar. O plano de 4 anos será executado.”

E então Hitler coloca desta forma: Olha, eu não estou realmente tentando assumir tudo. Ele diz: “Eu digo à indústria alemã, por exemplo”, isso é em 1937, “você tem que produzir isso e aquilo agora. Eu então volto a isso no plano de quatro anos. Se a indústria alemã me respondesse: ‘Nós não somos capazes’, então eu diria a ela ‘Tudo bem. Eu mesmo assumirei isso’. Mas isso deve ser feito. Mas se a indústria me disser que faremos, estou muito feliz por não precisar fazer isso.”

Tudo bem. Então tem uma série de indústrias que Hitler está muito interessado em nacionalizar. Deixe-me, conforme eu começo a ficar sem tempo, apenas percorrer algumas áreas da política. Em 1934 você tem, de fato, controle completo do comércio exterior, todos os contratos de importação precisam ser aprovados; só então você poderia obter a moeda estrangeira necessária. Era basicamente um monopólio do comércio exterior. Havia um conjunto abrangente de instrumentos estatais para o controle direto do investimento. Salários e preços, sujeitos a controles irracionais. Diferentes tipos de alimentos teriam controles sobre eles. Muita gente substituiu a carne de porco por outros tipos de carne. Assim por diante.

Mas o que Zitelmann aponta é: “Nada disso foi de forma alguma uma medida de emergência necessária apenas por causa do rearmamento e da guerra, mas sim um instrumento deliberadamente criado para revolucionar a ordem econômica e o estabelecimento de um novo sistema econômico que deveria ser caracterizado por uma síntese entre elementos de livre iniciativa e controle estatal, onde a preponderância claramente estava no aspecto do controle estatal, que deveria implementar o primado da política”.

Agora, se você ler aquele livro, The Vampire Economy, você também terá pequenos trechos de coisas que estavam acontecendo. Tipo, como ele fala sobre casos em que industriais seriam visitados por auditores estatais que tinham ordens para examinar seus balanços e lançamentos contábeis. E eles encontrariam, você sabe, o menor e mais trivial erro e imporiam uma enorme penalidade financeira a eles. Bem, todo mundo sabia que isso era apenas o estado saindo e tirando dinheiro dos negócios. Todos sabiam que não estavam realmente preocupados com erros de contabilidade. Mas eles queriam algum pretexto legal, então o fizeram dessa maneira.

E então Reimann diz: “É concebível que um empresário possa ter sucesso em um recurso aos tribunais contra alguma regulamentação de um oficial nazista excessivamente zeloso, desde que tal regulamentação fosse uma interferência gratuita na propriedade privada e não tivesse influência na defesa do regime nazista. No entanto, a ação judicial era muito rara porque a maioria dos empresários temia despertar a ira dos oficiais nazistas que, em alguma ocasião posterior, poderiam ter a oportunidade de se vingar.” 

Eu gostaria de ler para vocês uma parte de uma carta escrita por um empresário alemão a um amigo no exterior descrevendo o que estava acontecendo na Alemanha. Isto é por volta de 1939 ou algo assim. Ele diz: “Estou aqui em Amsterdã por alguns dias e aproveito esta oportunidade para escrever sem restrições a vários amigos no exterior. Eu sei que você estará interessado em ouvir o que está acontecendo na Alemanha. Quanto a mim, meu conhecimento como especialista técnico não teria sido suficiente para me permitir sobreviver ao longo dos últimos cinco anos não fosse o fato de que nossa empresa tem o apoio de um homem proeminente do partido que vem ao nosso auxílio quando precisamos de certificados de moeda estrangeira, matérias-primas e assim por diante. Nenhuma empresa em nosso ramo pode existir sem tal colaborador. Do modo que é, temos que gastar dinheiro considerável para: ‘Assessoria jurídica’. Não é uma questão de simples suborno. O processo é mais complicado. Eu conhecia a Rússia pré-guerra. Em geral, o suborno sob o czarismo era um assunto simples. Você podia descobrir quanto tinha que pagar a um funcionário do estado contando o número de estrelas em seu uniforme. Quanto mais alto o posto, mais estrelas ele usava, mais você tinha que pagar. É diferente na Alemanha hoje. Os membros do partido que controlam a distribuição de matérias-primas e assuntos semelhantes não aceitam dinheiro diretamente. Você não oferece dinheiro a um líder do partido. Você pergunta se ele conhece um bom ‘advogado’ que possa ajudar a provar às autoridades a urgência de sua demanda por moeda estrangeira ou matéria-prima. Ele o encaminha para um advogado que lhe dá a assessoria jurídica necessária pela qual você paga e, eventualmente, seu pedido é atendido. Mas as taxas por esse conselho são extremamente altas, muito mais altas do que você teria que pagar em suborno direto ou pagaria a um advogado de primeira linha em regime de retenção. É praticamente impossível funcionar sem manter relações estreitas com um desses advogados. Você passa a depender dele completamente”.

E então ele diz: “Eu cito uma de minhas experiências, eu precisava de moeda estrangeira da minha viagem atual a Amsterdã e devidamente pedi o que eu precisava para a administração de moeda estrangeira. Em resposta, recebi a seguinte resposta: Absolutamente impossível. Fui então ao meu conselheiro e perguntei-lhe como poderia provar a urgência especial de minha viagem de negócios. Ele me disse algo que eu não sabia antes. Uma nova decisão foi emitida para os líderes efetivos das fábricas em minha linha de negócios específica de que não poderíamos mais obter moeda estrangeira para uma viagem de negócios ao exterior. Bem, eu disse que tal uma viagem pessoal para que eu pudesse inspecionar alguns novos tipos de máquinas para minhas informações pessoais. ‘Isso pode ser possível’, ele disse, ‘mas lhe custará trezentos marcos.’”

Ele diz, “Em todo lugar você encontra novos laços de amizades entre empresários, homens de contato e homens do partido que estão ligados uns aos outros por cumplicidade em violações de leis e decretos.” Era assim que você funcionava: fazendo com que pessoas que, de alguma forma, o ajudassem a contornar esse louco labirinto de insanidade. “Pelo menos metade do tempo”, diz Reimann, “metade do tempo do fabricante alemão é gasto no problema de como obter matérias-primas escassas. Você não pode obtê-las sem um certificado de um dos conselhos de fiscalização, que distribuem as matérias-primas disponíveis, nacionais e estrangeiras.”

E então ele diz que a borracha ficou tão escassa. E como você conseguiria um novo pneu? E havia essa política de que nenhum pneu novo podia ser vendido até que o pneu velho estivesse completamente gasto. Então você tinha casos de caminhões novos sendo comprados apenas pelos pneus. E então eles vendiam o caminhão para sucata e ficavam com os pneus. Assim, esse tipo de coisa estava acontecendo em todo lugar. O próprio Mises chamou isso de socialismo no padrão alemão ou no modelo alemão porque, ele diz, esses não são realmente empreendedores, são apenas gerentes de loja porque compram e vendem, e eles contratam e demitem trabalhadores e remuneram seus serviços etc., mas eles são obrigados a obedecer incondicionalmente às ordens que são emitidas pelo escritório supremo de gerenciamento de produção.

Então, é… ainda pode haver a chamada “propriedade privada”. Mas o que isso significa no tipo de ambiente que vemos aqui descrito? (Então, como se vê… Você nunca iria adivinhar… Não temos nada a ver com nada disso. E as pessoas que querem pensar que temos, estão muito mais perto disso. Mas eu odeio dizer isso a eles. Tudo certo. E muito, muito obrigado.

Equipe

Tradutor, Revisor e Editor: Dk.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.