Liberalismo Neoclássico: Como Eu Não Sou Um Libertário

Tempo de Leitura: 6 minutos

Por Jason Brennan

Na filosofia acadêmica, as pessoas tendem a usar o termo “libertário” numa forma restritiva, para se referir a pessoas que 1) sustentam que os direitos de propriedade e outros direitos são absolutos ou quase absolutos, 2) que fundamentam suas teorias de direitos e justiça no conceito de autopropriedade, 3) que rejeitam a justiça social, e 4) que rejeitam a ideia de que a liberdade positiva é realmente liberdade, e é uma forma valiosa de liberdade que a sociedade deve projetar e promover. Os libertários sustentam que a justiça exige que respeitemos os direitos de propriedade, período, mesmo que isso signifique que uma grande porcentagem de pessoas passe fome, tenham pobres e desesperadas vidas ou não tenha participação em sua sociedade. Se isso é libertarianismo, não conte comigo.

 

Em um próximo artigo sobre as tendências atuais do liberalismo clássico, John Tomasi e eu afirmamos que o liberalismo clássico está sendo revigorado pelo surgimento do que chamamos de liberalismo neoclássico. Neste post, quero apenas apresentar e explicar o que é o liberalismo neoclássico. (Não vou defendê-lo, nem vou tentar explicar como todas as peças se encaixam.)

 

Os liberais neoclássicos combinam um compromisso liberal clássico com a liberdade econômica com um compromisso moderno ou altamente liberal com a justiça social. Uma filosofia política não ganha pontos por ser a mais exigente. Ainda assim, é importante entender que os liberais neoclássicos não são simplesmente liberais clássicos que (com certa relutância) aceitam alguns princípios bem-estaristas1, tornando, assim, sua teoria da justiça um pouco mais humana do que a dos libertários, se não, tão humana quanto os altos liberais. Em vez disso, os liberais neoclássicos se empenham em aceitar fortes princípios de justiça social, mas ao mesmo tempo têm uma concepção mais ampla e expansiva de liberdade pessoal do que os altos liberais. Do ponto de vista liberal neoclássico, o liberalismo neoclássico eleva a aposta moral quando comparado ao alto liberalismo. O alto liberalismo deveria ser a culminação do movimento liberal – por isso o “alto” no “alto liberalismo” – mas Tomasi e eu afirmamos que o liberalismo neoclássico é uma forma superior de liberalismo.

 

Uma maneira de distinguir entre os tipos de liberalismo é por meio de suas diferentes concepções de liberdade econômica. Liberais clássicos e libertários afirmam o que poderíamos chamar de uma concepção densa de liberdade econômica; altos liberais, uma concepção rala.

 

A maioria dos liberais concorda que alguns direitos e liberdades são mais básicos do que outros. Todos os liberais incluem algumas liberdades econômicas em sua lista de liberdades básicas. O objetivo dessas liberdades é (pelo menos em parte) proteger a capacidade dos cidadãos de agir como tomadores de decisão independentes em uma ampla gama de escolhas que enfrentam em suas vidas, facilitar eles a se verem mutuamente como cidadãos autônomos e iguais, e para permitir-lhes desenvolver suas faculdades morais.

 

No entanto, os liberais discordam sobre o escopo, a natureza e o peso das liberdades que eles consideram básicas. Os altos liberais têm uma concepção rala de liberdade econômica. Eles pensam que a liberdade de ocupação e a liberdade de possuir propriedade pessoal estão entre as liberdades básicas. Em contraste, liberais clássicos, libertários e liberais neoclássicos pensam que as liberdades básicas também incluem fortes direitos à liberdade de contrato, liberdade de possuir e usar propriedade produtiva, liberdade de comprar e vender em termos voluntários e assim por diante. Eles consideram esses direitos equivalentes às liberdades civis, enquanto os altos liberais os consideram direitos menores ou, em alguns casos, não são direitos. Os altos liberais tendem a interpretar as liberdades civis de forma ampla. Eles assumem que as liberdades civis têm um amplo escopo e são bastante pesadas. Os liberais neoclássicos sustentam que as liberdades econômicas têm o mesmo peso e amplo escopo que as liberdades civis. (Os altos liberais vão querer perguntar: Por quê?)

 

Tomasi afirma, em seu próximo livro Free Market Fairness (Princeton University Press, 2012), que os altos liberais adotaram uma plataforma de “excepcionalismo econômico”. O que ele quer dizer com isso é que os altos liberais acreditam que os cidadãos devem, por direito, ter uma ampla gama de liberdade de escolha em quase todos os aspectos de suas vidas, exceto decisões relacionadas à propriedade, comércio, trabalho, dinheiro e comércio. Os altos liberais pensam que os cidadãos têm ampla latitude na tomada de decisões sobre propriedade, comércio, trabalho, dinheiro e comércio apenas se isso ajudar a servir à justiça social ou apenas se tal poder de tomada de decisão for autorizado por uma assembleia democrática. Talvez, para abrir espaço para a justiça social, os altos liberais relegaram as liberdades econômicas a um status inferior às liberdades políticas e civis.

 

Os liberais neoclássicos rejeitam essa plataforma de excepcionalismo econômico. Eles pensam que as liberdades econômicas compartilham o mesmo status elevado que as outras liberdades. No entanto, os liberais neoclássicos também acreditam que isso não precisa acontecer às custas da justiça social. (Os altos liberais deveriam perguntar: por que não?)

 

Outra maneira de distinguir entre diferentes tipos de liberalismo é por seu compromisso com a justiça social. No fundo, estar comprometido com a justiça social é acreditar que, para que instituições, práticas e normas sociais sejam justas, elas devem ser suficientemente benéficas para todos. Acreditar na justiça *social* é sustentar que a distribuição de benefícios e encargos na sociedade importa como uma questão de justiça. Afirmar a justiça social é afirmar que não basta que os cidadãos tenham suas liberdades formais respeitadas. Em vez disso, em uma sociedade justa, a menos que haja um azar excepcional, os cidadãos terão o aproveitamento de sua liberdade. Os libertários (incluindo a maioria dos libertários de esquerda) e muitos liberais clássicos rejeitam a justiça social; alguns até pensam que o conceito possui uma confusão inerradicável. Ao contrário dos libertários e liberais clássicos, no entanto, os liberais neoclássicos e os altos liberais afirmam que a justiça social é um critério substantivo pelo qual julgar a estrutura básica da sociedade e os resultados do mercado. Na visão liberal neoclássica, parte da justificativa para a estrutura básica de uma sociedade é que ela produz condições em que os cidadãos têm liberdade substantiva e podem se confrontar como livres e iguais. A estrutura básica da sociedade é avaliada pelos tipos de resultados produzidos para os cidadãos. (Libertários ortodoxos: por quê?)

 

Esta é apenas uma breve visão geral da posição liberal neoclássica. Deve levantar muitas questões. Estarei postando algumas dessas questões neste blog.

 

ATUALIZAÇÃO: esqueci de mencionar que tenho plena consciência de que muitas pessoas que se dizem libertárias não se encaixariam na caracterização de libertários que dei no primeiro parágrafo. Não estou aqui muito preocupado em encontrar a melhor definição de “libertarismo”. Estou apenas apontando que os filósofos tendem a usar a palavra “libertário” da maneira que descrevi acima e, por esse motivo, não sou um libertário.

 

ATUALIZAÇÃO: Eu não sabia que este blog seria lido por tantos não-filósofos. É bastante claro pelas reações em alguns outros blogs que muitos leitores não estão familiarizados com os termos ou problemas acima e, portanto, não entendem bem do que estou falando. Então, obrigado por ler, e me certificarei de reescrever uma entry sobre esse tópico no futuro para não especialistas.

 

Publicado em: 3 de março de 2011


Autor: Jason Brenan

 

Link do post original: https://bleedingheartlibertarians.com/2011/03/neoclassical-liberalism-how-im-not-a-libertarian/

Nota 1: De “bem-estar” (welfarist).

Notas do Tradutor:
Nota: Uso as palavras “libertarismo” e “libertarianismo” de forma intercambiável.
Nota: Deixo claro, por meio desta nota, que Jason Brennan não é o que a maioria das pessoas no Brasil entendem por liberal (ele é libertário).
Nota: Jason Brennan pode ser considerado o fundador (junto com Tomasi) do que chamarei de Escola de Arizona de Libertarianismo.
Nota: EU irei postar um trecho explicando uma parte do que Brennan considera libertarismo neste link.

Pergunta:
David Sobel • há 11 anos
Jason,

Recentemente, fiquei bastante interessado em avaliar o projeto libertário, mas não tenho lido muito amplamente essa literatura. Também não tenho uma boa noção da posição liberal clássica ou do liberalismo neoclássico que você defende. Em suma, tenho energia, mas não conhecimento sobre esses tópicos, e temo que isso possa acabar sendo irritante. Mas eu esperava que você pudesse explicar o contraste que você (e outros) tem em mente entre o libertarianismo como você explica acima (o que eu sinto que entendo mesmo se discordar dele) e o (neo) liberal clássico um pouco mais. Uma imagem possível é que o que une os liberais (neo) clássicos não é uma estratégia argumentativa ou um compromisso moral fundamental compartilhado, como um compromisso com a autopropriedade plena, mas sim um conjunto compartilhado de conclusões, um pouco independentemente de como se encontra o caminho para eles. Em tal quadro, as conclusões relevantes podem ser algo como governo limitado, amplo escopo para o livre mercado e antipaternalismo, independentemente de se chegar a essas conclusões à maneira de Mill ou Locke. Essa é a sua opinião ou você construiria mais conteúdo sobre como se chega às conclusões sobre o que é ser um liberal (neo) clássico?

Resposta:
Jason Brennan • há 11 anos
Olá David,

Obrigado pela sua pergunta. Como Tomasi e eu definimos o termo, “liberalismo neoclássico” refere-se a um conjunto de conclusões e não a um conjunto de premissas. Para ser um liberal neoclássico, uma pessoa deve primeiro ser um liberal. (O que diferencia os liberais dos não-liberais em si não é perfeitamente claro, mas acredito que sabemos aproximadamente quem está dentro e quem está fora, mesmo que alguns casos limítrofes sejam difíceis de julgar.) Um liberal neoclássico deve sustentar que existe algum tipo de princípio de justiça protegendo as liberdades básicas, que um amplo conjunto de liberdades econômicas faz parte desse conjunto de liberdades básicas e que essas liberdades econômicas estão mais ou menos no mesmo nível de outras liberdades. Finalmente, o liberal neoclássico deve defender alguns tipos de princípios distributivos de justiça social, sejam eles prioritários, suficientes, bem-estaristas ou qualquer outro.

No entanto, diferentes liberais neoclássicos poderiam chegar a essas conclusões de maneiras diferentes. Assim, por exemplo, Tomasi usa uma estrutura liberal rawlsiana para chegar a essas conclusões. Identificamos David Schmidtz como um liberal neoclássico, mas ele é uma espécie de consequencialista de regras sofisticado. (Além disso, para Schmidtz, o que chamamos de justiça social não é em si um princípio de justiça, mas faz parte de uma regra de reconhecimento pela qual descobrimos quais são as regras de justiça social.) Quanto a mim, realmente não tenho certeza de qual é minha filosofia abrangente ainda, pois estou bastante dividido entre um tipo de consequencialismo e um tipo de liberalismo justificatório (como Rawls, Tomasi ou Gaus).

 

Tradutor: Orenom

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.