A Vontade de Ser Livre: O Papel da Ideologia na Defesa Nacional

Tempo de Leitura: 25 minutos

por Jeffrey Rogers Hummel

[Este artigo faz parte do livro “O Mito da Defesa Nacional”, o livro está disponível para download na página “Livros” deste mesmo site e disponível para compra aqui.]

[Nota do autor: Eu gostaria de agradecer a Michael Edelstein, Lynda Esko, Ross Levatter, Charles J. Myers, Dyanne Petersen, Jeff Singer, Tim Starr, James Stein, e Joseph Stromberg por seus comentários. É claro, apenas eu sou responsável por quaisquer erros.]

            A superioridade prática dos mercados sobre os governos tornou-se imediatamente perceptível. Apenas os apologistas do Estado mais dogmáticos continuam a negar esse fato óbvio — pelo menos no que diz respeito à produção de muitos bens e serviços. Com efeito, economistas e libertários de livre mercado vão muito mais longe. Eles afirmam a superioridade do mercado em quase todos os domínios. No entanto, apenas um punhado de anarco-capitalistas, mais notavelmente Murray Rothbard, ousaram afirmar que um livre mercado também poderia fazer um trabalho melhor no fornecimento de proteção contra Estados estrangeiros.[1] A defesa nacional é geralmente considerada o mais essencial de todos os serviços governamentais.

            Essa exceção amplamente aceita à eficiência dos mercados parece ter uma confirmação empírica irrefutável. Se a defesa privada é melhor do que a defesa do governo, por que o governo continuou vencendo ao longo dos séculos? De fato, as proezas militares do Estado mais do que aparentemente impediram o surgimento moderno de qualquer sociedade anarco-capitalista. Há algum tempo, até onde sabemos, toda a humanidade vivia em bandos sem Estado, formado por caçadores-coletores, e assim o fez desde o surgimento do homem moderno, há cerca de 50.000 anos. Mas, começando por volta de 11.000 a.C., uma transição gradual para o cultivo de plantas e criação de animais — no que é diversamente identificado como Neolítico, Produção de Alimentos ou Revolução Agrícola — promoveu um aumento constante nas densidades populacionais. Essas populações mais densas e assentadas tornaram-se suscetíveis àquilo que o ilustre historiador William H. McNeill denominou apropriadamente de “microparasitas” e “macroparasitas”. Microparasitas são as várias doenças e outras pragas que têm atormentado constantemente a civilização até o desenvolvimento da medicina moderna. E os macroparasitas são governos, que surgiram por meio da conquista ou em reação à ameaça de conquista, até que agora dominam todos os cantos do globo.[2]

            Libertários radicais, como Rothbard, reconhecem explicitamente o triunfo histórico dos governos sobre sociedades primitivas que não possuíam Estado, abraçando a teoria da conquista sobre as origens do Estado.[3] No entanto, isso os prende em um aparente paradoxo. Como eles podem atribuir as origens do governo a uma conquista bem-sucedida e, simultaneamente, sustentar que uma sociedade completamente livre, sem governo, poderia impedir tal conquista? É esse paradoxo que será tratado nas páginas seguintes. Fazer isso obviamente depende do estabelecimento de uma diferença crucial entre as condições que permitiram que os governos surgissem em primeiro lugar e aquelas que caracterizariam uma futura sociedade livre. Portanto, vamos inicialmente voltar nossa atenção para o primeiro conjunto de condições e averiguar exatamente o que, na Revolução Agrícola, criou um solo tão fértil para o crescimento de monopólios coercitivos.

I.

            Ao contrário do Estado, a guerra antecede a Revolução Agrícola. Ela era endêmica entre bandos de caçadores-coletores. Mas isso nunca levou à conquista permanente. Por que não? A explicação é bastante simples. Caçadores e coletores poderiam facilmente sair para novas terras. “Onde as densidades populacionais são muito baixas”, escreve Jared Diamond, “como é usual em regiões ocupadas por bandos de caçadores-coletores, os sobreviventes de um grupo derrotado precisam apenas se afastar de seus inimigos.”[4] Esta opção deixa de ser viável apenas com as maiores concentrações de população suportadas pela produção de alimentos. “Sem dúvida, se os cobradores de impostos e aluguéis pressionassem muito aqueles que trabalhavam nos campos”, admite William H. McNeill,

a opção de fuga permanecia. Mas, na prática, essa era uma alternativa custosa. De fato, era raro que um fazendeiro em fuga pudesse esperar encontrar um novo lugar onde pudesse cultivar alimento na próxima estação, começando com terra nova. E chegar a ficar sem comida além da que se podia encontrar na natureza por um ano inteiro não era prático.[5]

            Em outras palavras, a caça e a coleta tendem a prevalecer quando a terra é relativamente abundante. No entanto, essa mesma abundância condenava a caça e a coleta a um dilema malthusiano. Sem qualquer escassez real de terras, as sociedades de caça-coleta tinham pouco incentivo para estabelecer ou fazer cumprir direitos de propriedade claros sobre os recursos naturais. A população, portanto, se expandiu, sujeitando essa forma mais básica de produção a retornos marginais decrescentes. A manifestação mais extrema da resultante da superutilização de recursos comuns são as extinções de espécies que muitas autoridades agora atribuem aos caçadores primitivos. Essas extinções têm suas contrapartes modernas na atual captura ineficiente de baleias e outros recursos dos oceanos de propriedade comum.

            Se os humanos foram os principais agentes no desaparecimento dos mamutes lanudos e de cerca de 200 outras espécies de grandes mamíferos no final do Pleistoceno, ainda é um debate. Mas a falta de direitos de propriedade executáveis sobre a terra indiscutivelmente criou um problema oportunista ou de externalidade negativa entre bandos concorrentes de caçadores e coletores que fez com que seu número aumentasse continuamente. Em algum ponto, o crescimento da população levou a retornos da caça e da coleta tão baixos que a agricultura e a pecuária se tornaram mais produtivas. Essa mudança na produtividade relativa providenciou incentivos para as inovações necessárias no cultivo de plantas e na domesticação animal. Assim, o aumento da densidade populacional tornou-se tanto a causa mais importante quanto uma das consequências mais importantes da Revolução Agrícola. Bandos migratórios de caçadores e coletores dispersos foram suplantados por populações maiores e relativamente sedentárias de fazendeiros e pastores.[6]

            Os direitos de propriedade da terra surgiram agora, à medida que a disseminação da agricultura tornou esse recurso cada vez mais escasso. Ao mesmo tempo, no entanto, as populações assentadas tornaram-se cada vez mais vulneráveis aos microparasitas e macroparasitas. Os macroparasitas podiam assumir a forma de invasores saqueadores que simplesmente saqueavam suas vítimas e talvez as exterminavam. Mas “[a] adaptação entre hospedeiro e o parasita sempre tende a uma acomodação mútua”, como afirma McNeill.[7] Os macroparasitas mais bem-sucedidos foram os guerreiros e governantes que se depararam em algum tipo de equilíbrio de longo tempo com seus “súditos” coagidos. Eles extraíam recursos suficientes por meio de tributos e impostos para poder repelir grupos concorrentes de macroparasitas, mas não tanto a ponto de matar sua população hospedeira. Eles, em suma, geralmente operavam dentro do intervalo do ápice da curva de Laffer, pois aqueles governantes que apreendiam riqueza em quantidades muito grandes ou muito pequenas, muitas vezes sofreram derrotas militares nas mãos de outros governantes. Desse modo, bandos igualitários evoluíram primeiro para tribos, depois para chefias e, finalmente, para Estados hierárquicos.

            O problema do oportunista, há muito apresentado pelos economistas como uma justificativa normativa para o Estado é, na realidade, uma explicação positiva para o surgimento e persistência do Estado. Todos os primeiros governos sobre os quais temos conhecimento tinham classes dominantes relativamente pequenas, dependentes de transferências de riqueza de uma população súdita muito maior. Por que os súditos mais numerosos nunca se levantaram e derrubaram seus mestres? O oportunismo é a chave. A atividade revolucionária é sempre extremamente arriscada. Mas quase todos os sujeitos se beneficiariam de uma revolução bem-sucedida, independentemente de terem participado dela ou não. Isso continuou sendo um enorme obstáculo para organizar as massas. Em contraste, classes dominantes pequenas e concentradas enfrentaram menos problemas de oportunismo na realização de suas conquistas. Portanto, a história do Estado ao longo dos milênios, desde a Revolução Agrícola até o presente, tornou-se uma ladainha sempre sombria e às vezes horrível de interesses especiais coagindo triunfantemente grupos maiores.

            Os números, no entanto, não são totalmente irrelevantes. Todas as outras coisas iguais, exércitos maiores têm uma vantagem sobre os menores. À medida que os governos continuaram a sagrada tradição humana de travar guerras, eles acharam útil motivar seus súditos a lutar por eles. Isso ajudou a criar a tão citada aliança entre Estado e religião, entre Trono e Altar, entre Átila e o Feiticeiro.[8] Todos os Estados promovem alguma ideologia, seja religiosa ou secular, que legitima seu governo. A legitimação torna os súditos do Estado mais dóceis em geral, mas em particular fornece mais disposição de bucha para a guerra. Citando Diamond novamente, isso

dá às pessoas um motivo, além do interesse natural, para sacrificar suas vidas em nome de outros. Ao custo de alguns membros da sociedade que morrem em batalha como soldados, toda a sociedade se torna muito mais eficaz na conquista de outras sociedades ou na resistência a ataques.[9]

            Os governos de populações maiores, consequentemente, poderiam derrotar mais facilmente seus rivais. Ainda hoje é bastante óbvio quem ganharia uma guerra entre Alemanha e Luxemburgo, entre China e Hong Kong ou entre Estados Unidos e Granada. Lembre-se, além disso, que o Estado deve suas origens ao crescimento populacional da Revolução Agrícola. Quando os governos antigos invadiram os bandos remanescentes de caçadores-coletores, a diferença populacional foi severa. Junte isso ao impacto devastador das doenças micro parasitárias geradas e disseminadas por sociedades agrícolas mais densas em povos que não foram expostos por tempo suficiente para desenvolver alguma imunidade natural, e a diferença populacional se tornou ainda mais esmagadora. Fossem os indígenas San (bosquímanos) da África do Sul sendo levados para as terras marginais do deserto de Kalahari pelos criadores de gado Bantu, ou os aborígenes australianos sendo dizimados pelas armas e doenças dos invasores europeus, sociedades sem estado de caçadores-coletores foram, por essa razão, sempre deslocadas.

II.

            A população obviamente não é o único fator que influencia os resultados militares. Uma leitura casual da guerra intermitente que caracterizou a longa história dos governos nos ajuda a identificar vários outros. Riqueza e tecnologia são pelo menos tão importantes, com sociedades mais ricas ou tecnologicamente mais avançadas desfrutando de uma clara vantagem. Este foi outro fator que trabalhou contra as sociedades primitivas antes do Estado. As populações concentradas da Revolução Agrícola também fomentaram o surgimento do comércio e das cidades, e os ganhos mútuos resultantes, como observa McNeill, “são tanto parte do registro histórico quanto são [a] exploração e apropriação desequilibrada” pelos governos. A este desenvolvimento contemporâneo dos mercados devemos todos os equipamentos da civilização.[10]

            “Por séculos,” continua McNeill,

as trocas de bens e serviços, livremente e voluntariamente realizadas pelas partes interessadas, oscilavam intermitentemente, estando perpetuamente sujeitas à interrupção forçada. Os invasores de longe e os governantes próximos eram ambos perenemente tentados a confiscar em vez de comprar; e quando confiscavam, as relações comerciais e a produção voluntária para venda no mercado enfraqueciam ou mesmo desapareceriam inteiramente por um tempo. Mas o comportamento do mercado sempre tendeu a criar raízes de novo por causa das vantagens mútuas inerentes à troca de bens vindos de diversas partes da Terra ou produzidos por variados e habilidosos indivíduos.[11]

            No longo prazo, os governos que permitiram o comércio, com sua concomitante criação de riqueza e inovação tecnológica, tiveram mais e melhores recursos físicos para dedicar à guerra.

            A geografia é outro determinante da guerra. Rios, corpos d’água, rotas marítimas e barreiras oceânicas podem desempenhar papéis diversos nas manobras militares. Alguns países são dotados de terrenos mais facilmente defensáveis por causa de montanhas, florestas, desertos, ambientes com doenças ou outros obstáculos naturais. A unidade geográfica da China, unida por dois longos sistemas fluviais navegáveis, parcialmente cercados por altas montanhas e com um litoral bastante uniforme, favoreceu tanto sua unidade política por grande parte do tempo desde 221 a.C. quanto sua vulnerabilidade às invasões bárbaras de nômades montados em cavalos. Isso contrasta fortemente com a Europa, dividida por um litoral irregular, cadeias de montanhas e obstruções de água que a deixaram politicamente, linguística e etnicamente fragmentada até hoje. A importância da geografia é enfatizada por seu papel na sobrevivência de alguns enclaves isolados de caçadores-coletores até o século XX, muito depois de os Estados do mundo terem estabelecido suas reivindicações territoriais em toda a superfície terrestre do planeta.

            Um último fator que afeta a guerra é, como vimos, a motivação das próprias pessoas. Em última análise, as ideias determinam em que direção eles levantam suas armas ou se sequer as levantam. A moral não afetou apenas as operações militares diretamente, mas também afetou indiretamente a capacidade dos governos de impor sua governança. Muitas das bem-sucedidas conquistas de Estado foram intermediadas por classes dominantes locais, que permanecem legitimadas entre a população subjugada. Isso é bem exemplificado nos casos do domínio britânico sobre a Índia e da conquista espanhola do México. A dominância efetiva de aspirantes a conquistadores que possuem superioridade militar, mas enfrentam a hostilidade implacável de uma população unida numa ideologia é a mais problemática. O domínio inglês sobre a Irlanda foi, devido a esse fator, sempre tênue, e podem-se encontrar exemplos semelhantes nos dias modernos. Esta é outra vantagem às vezes possuída por caçadores-coletores e agricultores primitivos em suas lutas com sociedades mais centralizadas. Compare a conquista bastante rápida pela Espanha dos índios da América Central e do Sul, já habituados ao domínio do Estado indígena, com as campanhas europeias muito mais prolongadas contra os índios norte-americanos, que foram lentamente expropriados, expulsos e exterminados ao longo de vários séculos, mas nunca totalmente subjugado até o século XX.[12]

            Podemos analisar o andamento da guerra, portanto, de uma maneira um tanto quanto análoga à análise econômica da produção. As mesmas três categorias de fatores produtivos — trabalho (recursos humanos), terra (recursos naturais) e bens de capital (riqueza e tecnologia) — servem como insumos para qualquer empreendimento militar, com o trabalho aplicado tendo tanto uma dimensão quantitativa quanto uma qualitativa do capital humano. O combatente que consegue mobilizar uma contribuição maior de qualquer um desses fatores, ceteris paribus, tem uma vantagem militar, embora haja inúmeras situações em que os governos decidirão que na realidade a alocação desses recursos para a guerra não vale o ganho potencial em território e receita. Seria bom se pudéssemos expandir essa análise em uma teoria totalmente articulada que nos permitisse prever o tamanho e a forma dos estados.[13] Infelizmente, não estamos nem perto desse conhecimento, mas mesmo assim podemos detectar algumas relações cruciais.

            Antes da Revolução Industrial, nenhuma região do globo experimentou o crescimento econômico sustentado que se espera hoje como ordinário. Alguns lugares e épocas, talvez a Roma antiga, podem ter desfrutado de um nível temporariamente mais alto de riqueza média per capita do que outros, mas a estagnação econômica geral, sem qualquer aumento regular e de longo prazo na produção per capita, permaneceu a condição prevalecente por milhares de anos após o início da Revolução Agrícola. Além disso, foi uma estagnação na qual as expropriações do Estado “tendiam a manter a maioria camponesa da população civilizada perto da mera subsistência”.[14] As disparidades entre os Estados em termos de riqueza e tecnologia, acima e além daquelas que resultaram inevitavelmente das disparidades populacionais que, consequentemente, desempenharam um papel secundário na guerra. Somente com os avanços econômicos sem precedentes que acompanharam o crescimento sustentado o capital militar se tornou tão decisivo que ultrapassou o peso de meros números e permitiu que um punhado de europeus subjugassem hordas de nativos.

            Agora se tornou quase uma observação comum que a Revolução Industrial eclodiu pela primeira vez na civilização ocidental por causa do pluralismo político da Europa. Em quase todas as civilizações anteriores, os Estados imperiais passaram a abranger toda a área dentro da qual o comércio significativo era conduzido. Somente na Europa a área de comércio e uma cultura comum se estenderam além das fronteiras de muitos pequenos Estados, criando uma ordem jurídica verdadeiramente policêntrica. O lado negativo da fragmentação política da Europa foram guerras frequentes e fratricidas que alcançaram sua culminação fatídica na destruição em massa das duas guerras mundiais do século XX. Mas, felizmente, todas as tentativas militares de consolidar o continente, seja por Filipe II da Espanha, Bonaparte ou Adolf Hitler, foram abortadas. O benefício desta competição entre várias jurisdições foi que ela encorajou — como a competição sempre faz — a inovação, neste caso as inovações institucionais com relação à propriedade e mercados que eram os pré-requisitos para a acumulação de capital e crescimento sustentado.[15]

            Uma maneira simples de modelar o que aconteceu é conceber mudanças de longo prazo na curva de Laffer. A curva de Laffer de curto prazo representa o trade-off imediato entre as taxas de impostos e receitas fiscais, ou mais amplamente, entre a taxa de expropriação do Estado, agregando todas as suas cobranças, e a receita total que consegue extrair da economia.[16] Somente reduzindo a taxa de expropriação bem abaixo do que irá gerar receita máxima, os governos podem estabelecer as pré-condições para aumentos seculares na produção. Com o tempo, ironicamente, isso mudará a curva de Laffer para cima, de modo que, mesmo com a mesma taxa de expropriação, o governo obterá mais receita total. Assim como os poupadores privados precisam renunciar ao consumo no presente para obter mais consumo no futuro, os governos tiveram de renunciar à receita no presente para estimular o crescimento que os fariam mais ricos e poderosos no futuro.[17] No ambiente político intensamente competitivo da Europa, alguns Estados foram finalmente capazes de descobrir essa fórmula para eclipsar seus rivais.

            A mesma competição política expôs mais recentemente o fracasso econômico total do socialismo. Sem a comparação dramática com o Ocidente mais próspero, as economias coletivistas da União Soviética e da China poderiam ter sobrevivido politicamente por eras — apesar do inevitável aumento da miséria das massas e do retrocesso para a estagnação do mundo antigo. Mas a competição entre os Estados não pode por si só explicar a Revolução Industrial ou o colapso do socialismo. Também deve haver algum mecanismo que gere variação nas políticas governamentais em primeiro lugar. E isso nos traz de volta ao reino das ideias, cultura e legitimação. O que estou sugerindo é um processo de seleção natural entre os Estados, semelhante à seleção natural entre os organismos vivos. Enquanto as mutações genéticas causam as mudanças e adaptações que impulsionam a evolução das espécies vivas, o agente causal decisivo para os governos é a ideologia.[18]

III.

            Ludwig von Mises foi o primeiro a explicar e prever o colapso do socialismo. Mas isso foi apenas uma parte de sua defesa abrangente e utilitarista do laissez-faire. A outra parte foi a crítica de Mises ao que ele chamou de intervencionismo, ou o que os textos de economia costumavam se referir como economia mista e o que ficou conhecido historicamente na Europa como social-democracia. Embora o planejamento central fosse incompatível com a prosperidade criada pela Revolução Industrial, um Estado de bem-estar social mais limitado era, na opinião de Mises, inerentemente instável. Cada medida governamental específica causaria tal ruptura social que iria ou trazer mais intervenções ou forçar sua revogação. A sociedade acabaria ou com o socialismo puro ou com o laissez-faire e, uma vez que dos dois, apenas o laissez-faire poderia sustentar os padrões de vida aos quais os europeus se acostumaram, a escolha era óbvia.[19]

            Os eventos provaram que Mises estava absolutamente certo sobre o planejamento central, mas errado sobre o intervencionismo. De fato, a verdade sobre o Estado centrado no cliente e corretor de poder é diametralmente oposta à previsão de Mises. Em vez de ser inerentemente instável, é o poço de gravidade para o qual ambas as sociedades de mercado e socialistas afundam. E a teoria da public choice, que na terminologia de Mises elabora a praxiologia da política, nos forneceu o motivo. Pois grupos concentrados enfrentam menos problemas do free-rider na busca de transferências do governo, eles têm uma influência excessiva na política. Hoje, assim como era verdadeiro no início da civilização, os incentivos mais fortes do Estado são para beneficiar interesses especiais às custas do público geral.[20]

            Por causa da busca de renda que essa estrutura de incentivo encoraja, não só a Grã-Bretanha e os Estados Unidos recuaram depois de 1900 de talvez o apogeu do governo limitado na história mundial, mas também os governantes da Rússia recuaram na prática do puro objetivo marxista de abolir todos mercados muito antes da desintegração da União Soviética em 1991. O reinado dos apparatchiks e nomenklatura na era Brejnev estava muito longe do planejamento central sistemático dos Planos Quinquenais de Stalin, muito menos do ataque fanático a todas as trocas monetárias de Lenin e do comunismo de guerra de Trotsky.[21] Os governos macroparasitas em ambos os casos vinham extraindo receitas bem abaixo do máximo potencial da curva de Laffer de curto prazo. E enquanto os interesses especiais soviéticos descobriram que poderiam obter maiores transferências com subornos, corrupção e outras práticas que na verdade relaxaram a carga do governo sobre a economia, a tentação dos governantes britânicos e americanos de explorar os ganhos de curto prazo na receita subindo na curva Laffer era muito grande, mesmo ao possível custo de crescimento de longo prazo.

            A análise da public choice, no entanto, está na posição embaraçosa de levantar um obstáculo teórico geral a quaisquer mudanças que afastem a economia desse ponto médio social-democrata e neomercantilista. Deve haver alguma força causando perturbações e oscilações na política governamental, ou então quase toda a humanidade ainda consistiria em escravos murmurando sob os Faraós do Egito. A maioria dos teóricos da public choice simplesmente confia em acidentes históricos como guerras, revoluções e conquistas para varrer as coalizões distributivas existentes.[22] Mas atribuir mudanças ao acidente é simplesmente dizer que a diferença não tem explicação. “[O] historiador econômico que construiu seu modelo em termos neoclássicos construiu nele uma contradição fundamental”, admite o economista ganhador do Prêmio Nobel Douglass C. North, “uma vez que não há como o modelo neoclássico explicar uma boa parte da mudança que observamos na história.”[23]

            A variável que falta são ideias. Todos os Estados de sucesso são legitimados. Nenhum governo governa por muito tempo apenas por meio da força bruta, não importa o quão antidemocrático seja. O suficiente de seus súditos deve aceitar seu poder como necessário ou desejável para que sua regra seja amplamente aplicada e observada. Mas o próprio consenso social que legitima o Estado também o vincula.[24] A ideologia, portanto, torna-se o coringa que explica os movimentos de massa de espírito público superando o problema do free-rider e afetando mudanças significativas na política governamental. Pois a ideologia pode motivar as pessoas a fazer mais pela mudança social do que as recompensas materiais para cada indivíduo justificariam. “Observação casual […] confirma o imenso número de casos em que a ação de grandes grupos ocorre e é uma força fundamental para a mudança”, escreve North.[25] A Rússia foi levada aos excessos do bolchevismo por uma ideologia secular — não mera busca de renda. No outro extremo do espectro, o liberalismo clássico teve de gerar um semelhante altruísmo ideológico potente, que superou os desincentivos do free-rider para reverter a autoridade coercitiva em muitas nações ocidentais.

            Sabemos ainda menos sobre o que faz com que as ideias tenham sucesso do que sobre o que determina o tamanho e a forma das jurisdições governamentais. O famoso zoólogo Richard Dawkins ofereceu a proposição intrigante de que as ideias têm semelhanças impressionantes com os genes. Muitos aparentes paradoxos na evolução biológica desapareceram quando os biólogos reconheceram que o processo foi impulsionado pelo sucesso com o qual genes “egoístas” (em vez de indivíduos ou espécies) podiam se replicar. Dawkins sugeriu que o termo “memes” fosse aplicado a ideias cuja capacidade de replicar em outras mentes da mesma forma determina sua propagação.[26] Não importa o quão útil este paralelo entre a evolução cultural e genética, em última instância, possa se provar, pelo menos nos ajuda a desiludir-nos da ilusão que a validade de uma ideia é o único ou principal fator de seu sucesso. Aqueles que duvidam que as falsas ideias possam ser tremendamente influentes precisam apenas olhar para o sucesso mundial de tantas religiões mutuamente excludentes. Não é simplesmente que elas não possam ser todas verdadeiras simultaneamente; se uma é verdadeira, então muitas das outras não são simplesmente falsas, mas terrivelmente falsas.

            Ou, para pegar um exemplo ainda mais próximo de nosso tópico, observe a tremenda popularidade de ideias inválidas que legitimam o Estado entre aqueles que o Estado explora. Outras coisas sendo iguais, a verdade de uma ideia pode dar-lhe alguma vantagem, mas outras coisas raramente são iguais. O único consolo que podemos obter é que uma teoria baseada em memes implica que a difusão de ideias é similarmente independente do governo. O Estado, por exemplo, parece não ter desempenhado algum papel no nascimento e crescimento inicial do Cristianismo, e os esforços draconianos que muitos governos dedicam à supressão da dissidência testemunham a ameaça representada por esse tipo de desenvolvimento ideológico autônomo.

            Ideias bem-sucedidas, portanto, podem induzir alterações no tamanho, escopo e intromissão do governo. O avanço constante da civilização apresenta uma sucessão dessas superações do obstáculo do free rider. Mas a duração de quaisquer alterações, por sua vez, dependeu de outros fatores, especialmente da intensidade da competição entre os Estados. No longo prazo, apenas as mudanças na política que ajudaram a sobrevivência da sociedade eram prováveis de perdurar. Mesmo assim, o altruísmo ideológico e a busca de renda permaneceram em constante tensão. As dinâmicas do free rider sempre tendiam a desencadear um processo de decadência, enfraquecendo os tendões ideológicos de uma sociedade e destruindo seu sistema imunológico ideológico. A teoria da public choice, portanto, enfatiza a famosa máxima: “O preço da liberdade é a vigilância eterna”.

IV.

            Para a maioria das reformas propostas, as questões de política podem e devem ser separadas das questões estratégicas. Se a revogação das leis de salário-mínimo teria consequências econômicas desejáveis, por exemplo, é diferente da questão de se a revogação das leis de salário-mínimo é politicamente alcançável. Mas ao considerar os serviços de proteção, essa dicotomia se desfaz. Como eu já salientei em outro lugar, a proteção de governos estrangeiros é meramente um subconjunto de um serviço mais geral: proteção de qualquer governo, seja ele chamado de estrangeiro ou doméstico.[27] A privatização desse serviço equivale à abolição do Estado. O território que constitui os Estados Unidos está em um sentido muito real já conquistado — pelo governo dos Estados Unidos. Somente quando os americanos se libertarem desse conquistador, eles terão efetivamente desnacionalizado a defesa. Em outras palavras, a questão política — as alternativas privadas podem fornecer proteção mais eficaz contra agressores estrangeiros? — e a questão estratégica — pode qualquer pessoa mobilizar a força ideológica para esmagar o Estado? — estão intimamente interligadas.[28]

            Portanto, faz sentido tentar imaginar como a sociedade pareceria se o salário mínimo fosse revogado sem qualquer outra mudança. Mas faz muito menos sentido imaginar como a sociedade pareceria se o governo fosse abolido — e especialmente perguntar como essa sociedade sem estado poderia se proteger — sem qualquer outra mudança. Pelo próprio ato de derrubar o governo doméstico (seja pacificamente ou pela força), os ex-súditos terão forjado ferramentas poderosas para se protegerem de governos estrangeiros. O mesmo consenso social, as mesmas instituições e os mesmos imperativos ideológicos que lhes deram a libertação de seu próprio Estado estariam automaticamente em vigor para defender contra quaisquer outros Estados que tentassem preencher o vácuo.

            Então, vamos supor que em algum país, em algum lugar, o governo se tornou tão totalmente deslegitimado que deixa de existir. Como essa sociedade poderia se sair militarmente em um mundo de Estados concorrentes? O resultado, ao que parece, ainda depende dos mesmos elementos que listamos acima como determinantes no conflito militar: riqueza e tecnologia, geografia, população e motivação. No que diz respeito a riqueza e a tecnologia, uma sociedade moderna sem estado aproveitaria uma grande vantagem. Não só alcançará aumentos mais rápidos na produção econômica e melhorias tecnológicas com o fim do macroparasitismo governamental, mas já deve ter uma vantagem econômica, porque os candidatos mais prováveis à abolição do governo são países onde a intervenção já é mínima. Os efeitos combinados de uma taxa de crescimento mais alta apenas aprimorarão essa potencial superioridade em capital militar ao longo do tempo, de modo que uma futura sociedade livre possa ter tão pouco a temer militarmente de Estados rivais quanto os Estados Unidos atualmente temem casos de economias fracas como México, Índia ou até Indonésia. Assim, o que era uma das maiores fraquezas das comunidades de caçadores-coletores se tornará uma das maiores forças das comunidades anarco-capitalistas.

            Os dons geográficos, em contraste, são basicamente uma questão do acaso e poderiam favorecer qualquer lado. A população segue um padrão similarmente imprevisível. Uma pequena população anarco-capitalista será mais vulnerável do que uma maior. Isso é apenas um reflexo do triste fato da realidade do quanto eu sofro do governo é afetado pelo que meus vizinhos acreditam. Até mesmo me armar com armas nucleares privadas não seria uma maneira estrategicamente sábia de me proteger de impostos, contanto que a maioria dos meus conterrâneos pense que impostos são justos e necessários. Mas, ao contrário de bandos de caçadores e coletores, uma futura sociedade livre, pelo menos, não inevitavelmente sofrerá de uma disparidade populacional em relação a seus vizinhos estatistas.

            Não é necessário que essa disparidade seja permanente, se é que existe desde o início, uma vez que o quarto determinante militar — a motivação — é colocado em jogo. Um povo que fabricasse com sucesso a solidariedade ideológica necessária para derrubar seus governantes domésticos seria extremamente difícil de conquistar, como já observamos. Não representando nenhuma ameaça de conquista, eles podem atrair a simpatia dos súditos de um governante estrangeiro melhor do que qualquer outro oponente que tais governantes possam enfrentar. Os aspirantes a conquistadores poderiam encontrar sua própria legitimação seriamente comprometida. Assim como a Revolução Americana desencadeou faíscas que ajudaram a inflamar conflagrações revolucionárias em muitos outros países, uma economia vibrante, livre de todos os governos, despertará tanta admiração e emulação que certamente tenderá a se expandir. Em suma, uma futura sociedade sem Estado tem as melhores perspectivas de trabalhar a dinâmica ideológica, tanto interna quanto externamente, em seu benefício. Para mudar para os termos dawkinianos, a anarquia é um meme que, se tomasse conta em um local, tem realmente o potencial de se espalhar como um incêndio.

            Mas não podemos deixar o fator ideológico com uma nota totalmente otimista. O problema de alcançar uma sociedade livre é semelhante ao problema de manter uma, mas não absolutamente idêntico. O fervor ideológico aumentou e diminuiu ao longo da história. Não posso oferecer nenhuma garantia de que, após várias gerações de liberdade e abundância, uma comunidade sem estado nunca sofrerá o mesmo tipo de decadência que afligiu tantas instituições políticas no passado. O altruísmo ideológico é um motivo difícil para continuar fervoroso, mesmo por uma única vida. David Friedman argumentou de forma persuasiva que a anarquia nos levará para “o lado certo da armadilha do bem público”. Em outras palavras, uma vez que o governo acabar, a estrutura de incentivos subjacente é alterada. As pessoas agora ganham individualmente mais com o apoio a “boas leis” que produzem benefícios sociais líquidos, em vez de “leis más” que fornecem transferências ao custo da perda de peso-morto. Mas o argumento de Friedman pode implicitamente exigir um consenso social resoluto que evite qualquer reintrodução da tributação.[29] Tal consenso poderia afastar todos os potenciais conquistadores, estrangeiros e domésticos, para sempre?

V.

            Vamos resumir. O Estado triunfou no passado distante sobre bandos sem Estado de caçadores-coletores por causa da interação favorável de dois fatores principais. Os primeiros governos, surgidos como consequência da Revolução Agrícola, podiam recorrer (1) às populações mais densas e resistentes a doenças que a produção de alimentos sustentou e (2) à riqueza e tecnologia superiores que acompanhavam o surgimento do comércio e das cidades. Os caçadores-coletores, mesmo quando lutavam com moral inabalável, eram presas fáceis, a menos que também estivessem protegidos por uma geografia inacessível.

            Nenhum desses dois fatores, entretanto, necessariamente prejudicaria uma futura sociedade anarco-capitalista. O crescimento econômico continuado que começou com a Revolução Industrial aumentou a influência da riqueza e da tecnologia no conflito militar. Uma vez que existe uma relação inversa entre a extensão do governo e a taxa de crescimento econômico, as sociedades sem estado teriam quase sem dúvida uma vantagem em capital militar. A população de qualquer futura comunidade sem governo irá reconhecidamente variar com as circunstâncias históricas. Quanto maior sua população, maior sua capacidade de impedir a conquista.

            Mas ajudar tal comunidade a resistir à invasão e expandir sua área seria a motivação de seu povo. As populações agrícolas assentadas eram inicialmente vulneráveis à conquista do Estado por causa do problema do free-rider. Grandes grupos sempre enfrentam enormes obstáculos em superar os desincentivos para organizar e afetar a política governamental. No entanto, a acumulação de capital ideológico ao longo dos séculos e as instâncias bem-sucedidas de redução do poder do Estado mostram que esse problema não é decisivo. Qualquer movimento poderoso o suficiente para abolir um governo vigente no mundo moderno demonstra, assim, sua capacidade de motivar uma ordem elevada de altruísmo ideológico. Certamente seria um meme capaz de propagação internacional.

            Dito isso, a espécie humana pode ainda ser incapaz de livrar a terra dos Estados macroparasitários, assim como nunca poderia eliminar todas as doenças microparasitárias. Mas a possibilidade de a doença ser inevitável nunca seria considerada uma justificativa adequada para abandonar os esforços da medicina contra tal flagelo. A história da civilização ocidental demonstra que grandes avanços são viáveis — tanto para conter doenças quanto para conter o governo. Embora nunca possamos abolir cabal e finalmente todos os Estados, há poucas dúvidas de que podemos fazer ainda melhor em restringir seu poder, se apenas pudermos motivar as pessoas com a vontade de ser livre.

Notas de Rodapé

[1]     Veja particularmente Murray N. Rothbard, For a New Liberty: The Libertarian Manifesto, edição revisada (New York: Macmillan, 1978), pp. 263-94; e idem, “War, Peace and the State” e idem, Egalitarianism as a Revolt Against Nature: And Other Essays (Washington, D.C.: Libertarian Review Press, 1974). Minhas próprias contribuições para o argumento pela desnacionalização da defesa incluem Jeffrey Rogers Hummel, “National Goods Versus Public Goods: Defense, Disarmament, and Free Riders,” Review of Austrian Economics 4 (1990): 88-122; “National Defense and the Public-Goods Problem” (com Don Lavoie), em Arms, Politics, and the Economy: Historical and Contemporary Perspectives, editado por Robert Higgs (New York: Holmes and Meier, 1990); “A Practical Case for Denationalizing Defense,” Pragmatist 3 (Abril de 1986): 1, 8-10, e (Junho de 1986): 3-4; “On Defense,” Free World Chronicle 2 (Janeiro/Fevereiro de 1984): 1-23; e “Deterrence vs. Disarmament,” Caliber 9 (Outubro/Novembro de 1981): 8-10. Outros defensores da produção da segurança privada contra estrangeiros são Jarret B. Wollstein, Society Without Coercion: A New Concept of Social Organization (Silver Springs, Md.: Society for Individual Liberty, 1969), pp. 35-38; Morris e Linda Tannehill, The Market for Liberty (Lansing, Mich.: Tannehill, 1970), pp. 126-35; e Hans-Hermann Hoppe, “The Private Production of Defense,” Journal of Libertarian Studies 14 (Verão de 1998): 27-54. Embora Ayn Rand tenha acreditado que a defesa nacional era uma função própria ao governo, ela defendia que isso deveria ser sustentado voluntariamente: “Government Financing in a Free Society,” em The Virtue of Selfishness: A New Concept of Egoism (New York: New American Library, 1964). Um de seus seguidores que concorda com isso é Tibor R. Machan, “Dissolving the Problem of Public Goods,” em The Libertarian Reader, editado por idem (Totowa, N.J.: Rowman and Littlefield, 1982). Em contraste, David D. Friedman é um anarco-capitalista que questiona se uma sociedade sem Estado pode providenciar uma defesa nacional eficiente em The Machinery of Freedom: Guide to a Radical Capitalism, 2ª ed. (La Salle, Ill.: Open Court, 1989), pp.135-43.

[2]     A literatura sobre o que eu prefiro chamar de Revolução Agrícola é imensa, mas os três trabalhos que eu achei mais esclarecedores são Douglass C. North, Structure and Change in Economic History (New York: W.W. Norton, 1981), pp. 71-112; William H. McNeill, The Global Condition: Conquerors, Catastrophes, and Community (Princeton, N.J.: Princeton University Press, 1992), pp. 67-100; e Jared Diamond, Guns, Germs, and Steel: The Fates of Human Societies (New York: W.W. Norton, 1997). Dos três, North tem a melhor compreensão de economia, e, todavia, ironicamente toma a visão mais favorável com relação ao Estado. Eu acompanhei Diamond no uso de datações de carbono calibradas, o que coloca o começo da Revolução Agrícola 2.000 anos mais cedo do que as mais convencionais datações de carbono não calibradas. A datação de 50.000 anos atrás para o surgimento do homem moderno se refere ao aparecimento de Cro-Magnons na Europa. A origem da nossa espécie, Homo sapiens, pode ser levada muito mais longe, a meio milhão de anos atrás.

[3]     A teoria de conquista sobre a origem do Estado foi mais notavelmente exposta em Franz Oppenheimer, The State (New York: Free Life Editions, [1914] 1975). Mas também ressoa com estudos mais recentes dessa questão antropológica quintessencial, incluindo Robert L. Carneiro, “A Theory of the Origin of the State,” Science 169 (21 de agosto de 1970): 733-88; Origins of the State: The Anthropology of Political Evolution, editado por Ronald Cohen e Elmar R. Service (Philadelphia: Institute for the Study of Human Issues, 1978); Robert Carneiro, “The Chiefdom: Precursor of the State,” in The Transition to Statehood in the New World, editado por Grant B. Jones e Robert R. Kautz (Cambridge, U.K.: Cambridge University Press, 1981); Keith F. Otterbein, “The Origins of War,” Critical Review 11 (Primavera de 1997): 251-77; e Diamond, Guns, Germs, and Steel, pp. 53-66, 265-92. Para um relato envolvente do papel da guerra na ascensão de um estado que ocorreu tarde o suficiente para que os europeus observassem e registrassem, consulte a primeira metade de Donald R. Morris, The Washing of the Spears: The Rise and Fall of the Zulu Nation (New York: Simon and Schuster, 1966)

[4]     Diamond, Guns, Germs, and Steel, p. 291.

[5]McNeill, Global Condition, p. 82.

[6]     Essa análise econômica das causas da Revolução Agrícola basicamente segue North, Structure and Change in Economic History, pp. 72-89, que considera e critica outras hipóteses.

[7]     McNeill, Global Condition, p. 87.

[8]     A alusão a e o Feiticeiro vem do ensaio introdutório de Ayn Rand, “For the New Intellectual” (New York: Random House, 1961). Para uma explicação acadêmica do mesmo tema, consulte o cap. 14, “From Egalitarianism to Kleptocracy,” in Diamond, Guns, Germs and Steel.

[9]     Diamond, Guns, Germs and Steel, p. 278.

[10]   McNeill, Global Condition, p. 75.

[11]   Ibid.

[12]   Thomas Sowell, Conquests and Cultures: An International History (New York: Basic Books, 1998), oferece vários estudos de caso das relações entre conquista e cultura.

[13]   Tentativas preliminares são, por exemplo, a de David Friedman, “A Theory of the Size and Shape of Nations,” Journal of Political Economy 85 (Fevereiro de 1977): 59-77, e Kenneth E. Boulding, Conflict and Defense: A General Theory (New York: Harper and Row, 1962).

[14]   McNeill, Global Condition, p. 74.

[15]   Ambos McNeill, Global Condition, pp. 113-14, 117-22, e Diamond, Guns, Germs, and Steel, pp. 409-19, dão ênfase a competição política dentro da Europa, mas o autor que empurrou essa análise mais longe foi o historiador marxista, Immanuel Wallerstein, The Modern-World System: Capitalist Agriculture and the Origins of the European World-Economy in the Sixteenth Century (New York: Academic Press, 1976). Por outro lado, North, Structure and Change in Economic History, pp. 158-86, presta mais atenção aos desenvolvimentos institucionais em direitos de propriedade como um fator na Revolução Industrial. Veja também Paul Kennedy, The Rise and Fall of the Great Powers: Economic Change and Military Conflict from 1500 to 2000 (New York: Random House, 1987).

[16]   Diferente do diagrama de oferta e demanda, parece ainda não haver uma convenção sólida entre economistas sobre quais variáveis pertencem a qual eixo na curva de Laffer. Eu já vi textos apresentarem nas duas formas: com taxas de impostos na horizontal e receitas fiscais na vertical e vice-versa. Eu redigi minha discussão presumindo que a receita está no eixo vertical. Se você colocá-la na horizontal, então, a curva de longo prazo, clararamente, se deslocará para fora em vez de para cima.

[17]   Um estudo empírico da relação entre receita governamental e crescimento econômico — James Gwartney, Robert Lawson, e Randall Holcombe, The Size and Functions of Government and Economic Growth (Washington, D.C.: Joint Economic Committee of the U.S. Congress, 1998) — mostra que a taxa de crescimento aumenta à medida que os gastos do governo caem em todas as faixas observadas de tamanho do governo.

[18]   Mas veja o excelente ensaio de revisão de David Ramsay Steele, “How We Got Here” Critical Review 2 (Inverno de 1988): 111-48, para algumas armadilhas potenciais com conceitos de evolução cultural.

[19]   Essas análises tanto do socialismo quanto do intervencionismo estão em Human Action: A Treatise on Economics, 3ª ed. revisada (Chicago: Henry Regnery, 1966), a magnum opus de Ludwig von Mises. Veja especialmente pp. 855-61 para uma sumarização. O tratado em tamanho de livro feito por Mises sobre o problema do cálculo econômico socialista é Socialism: An Economic and Sociological Analysis (New Haven, Conn.: Yale University Press, 1951), primeiro publicado em Alemão em 1922 [Tradução em português disponível como Ludwig von Mises, Socialismo – Uma Análise Econômica e Sociológica, (Rio de Janeiro: Editora Konkin, 2021). N. do Tradutor].

[20]   Alguns dos mais importantes trabalhos sobre o desenvolvimento da teoria da public choice são Anthony Downs, An Economic Theory of Democracy (New York: Harper and Row, 1957); James M. Buchanan e Gordon Tullock, The Calculus of Consent: Logical Foundations of Constitutional Democracy (Ann Arbor: University of Michigan Press, 1962); William A. Niskanen, Jr., Bureaucracy and Representative Government (Chicago: Aldine-Atherton, 1971); Albert Breton, The Economic Theory of Representative Government (Chicago: Aldine 1974); e Mancur Olson, The Rise and Decline of Nations: Economic Growth, Stagflation, and Social Rigidities (New Haven, Conn.: Yale University Press, 1982). Veja também Tullock, The Social Dilemma: The Economics of War and Revolution (Blacksburg, Va.: University Publications, 1974).

[21]   David Ramsay Steele, From Marx to Mises: Post-Capitalist Society and the Challenge of Economic Calculation (Chicago: Open Court, 1993), faz o melhor trabalho em mapear essa retirada marxista.

[22] Olson, Rise and Decline of Nations, exemplifica essa aproximação. Lembro-me de uma conversa que tive uma vez com Gordon Tullock em que ele uma vez atribuiu a maior parte da liberdade britânica ao efeito não intencional da completamente aleatória e, portanto, inexplicável adoção do julgamento por júri na Inglaterra.

[23]   North, Structure and Change in Economic History, pp. 10-11.

[24]   Minha discussão é deliberadamente vaga sobre quantos subordinados são suficientes e quão fortemente eles restringem o estado. Nosso entendimento teórico do governo requer muito desenvolvimento antes que possamos responder sistematicamente a essas questões. Para um argumento fascinante de que um único consenso social pode criar vários equilíbrios estáveis ​​com respeito ao poder do Estado, consulte Timur Kuran, Private Truths, Public Lies: The Social Consequences of Preference Falsification (Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1995). Isso criaria para as políticas governamentais o tipo de dependência da trajetória que os economistas do livre mercado rejeitaram como significativas no mercado.

[25] North, Structure and Change in Economic History, p. 10. Outro historiador econômico que trouxe de volta a ideologia é Robert Higgs em Crisis and Leviathan: Critical Episodes in the Growth of American Government (New York: Oxford University Press, 1987).

[26]   Richard Dawkins, The Selfish Gene, nova edição (Oxford: Oxford University Press, 1989), pp. 189-201. Outro autor que seguiu o conceito de memes é Daniel C. Dennett, em seu tour de force filosófico, Darwin’s Dangerous Idea: Evolution and the Meanings of Life (New York: Simon and Schuster, 1995), pp. 333-69. Uma aproximação mais velha, porém não incompatível à sociologia de ideias está no clássico de Thomas S. Kuhn, The Structure of Scientific Revolutions, 2ª ed. (Chicago: University of Chicago Press, 1970).

[27]Hummel, “National Goods Versus Public Goods,” pp. 96-97, 117.

[28]   Para seu crédito, Rothbard perceptivelmente reconheceu que defender uma sociedade livre era em parte uma questão estratégica posta como uma questão política. Veja a discussão dele em For a New Liberty, pp. 238-40.

[29] Friedman, Machinery of Freedom, pp. 156-59. A existência desta pré-condição ideológica implícita na análise de Friedman de uma futura sociedade anarco-capitalista é sugerida por suas respostas assimétricas aos problemas da defesa nacional e estabilidade. Enquanto ele é muito otimista sobre proteger uma sociedade anarquista do ressurgimento de Estados domésticos, ele é muito pessimista (como observado na nota 1 acima) em protegê-la de Estados estrangeiros. Visto que considero isso essencialmente o mesmo problema, acredito que Friedman é muito otimista quanto ao primeiro e muito pessimista quanto ao segundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.