As Vertentes do Movimento Libertário: no Brasil e no Mundo

Daniel Miorim
[email protected]

Daniel é sócio-fundador da Universidade Libertária. Institucionalista Moral Libertário. Totalmente individualista e acima de tudo libertário. Equipe da Fraternidade Libertária, Biblioteca Libertária e Anarcopop.

Muitos libertários divergem sobre as modalidades de ação prática possíveis e suas definições. Existe uma diferença significativa entre como essas possibilidades são vistas no exterior (principalmente Estados Unidos) e no Brasil.

A seguir as divisões que enxergo em cada uma dessas geografias. Essa é uma exposição com um juízo de valor intrínseco que pode vir a ser enxergado e criticado como queiram.

Visão Internacional

Fusionismo

Crença na possibilidade de união entre libertários e não libertários em prol de pautas comuns a eles. Começou da discussão trazida por liberais que queriam se unir a conservadores em pautas comuns.

Exemplo: fim da guerra às drogas – Libertarian Party

Gradualismo

Crença na via política institucionalizada como mecanismo de redução do estado.

Exemplo: Ron Paul

Agorismo

Contraeconomia + mecanismos de livre associação em prol da emancipação individual, geralmente nos meios culturais e políticos (fase 2-3).

Exemplo: Crypto + Associação dos Novos Libertários

Brutalismo

Argumentação e demonstração do libertarianismo como ele é, em todas as suas excentricidades em relação ao mundo do establishment.

Exemplo: Kaith Shaidle

Humanitarismo

Demonstração parcial e flexível do libertarianismo em prol da maior quantidade de adeptos possível.

Exemplo: Jeffrey Tucker

Purismo

Rejeição total da via política em toda a sua cadeia.

Exemplo: Wendy Mcelroy

Visão Brasileira (mainstream)

Fusionismo

Modo de redução das pautas libertárias em prol de negociações políticas, sociais ou ideológicas. Necessariamente antiético.

Exemplo: SFLB

Gradualismo

Incluem ações políticas não institucionalizadas como parte do gradualismo, pela sua alta possibilidade de cooptação pelo meio democrático. Necessariamente antiético.

Exemplo: Partido Liber

Agorismo

Composto apenas por métodos contra-econômicos e ferramentas tecnológicas de emancipação. Única alternativa prática viável e ética.

Exemplo: Daniel Fraga

Brutalismo

Argumentação e demonstração do libertarianismo como ele é, em todas as suas excentricidades em relação ao mundo do establishment.

Exemplo: Paulo Kogos

Humanitarismo

Demonstração parcial e flexível do libertarianismo em prol da maior quantidade de adeptos possível. Necessariamente antiético.

Exemplo: Raphael Lima

Purismo

Rejeição total da via política em todos os seus formatos, bem como do fusionismo em toda a sua cadeia.

Exemplo: Camila Vargas

Como podemos ver, existe um acirramento significativo e radical em relação aos métodos aqui no Brasil e eu vou me posicionar num post futuro sobre qual a minha posição nos dois espectros.

[content_block id=242]


1 Comentário
  • Carmem Luiza Montier
    29/06/2019

    Achei interessante:”E que por muitos dilemas morais entrarem na lei,que ela gerava tantos problemas em relação à violação do direito de propriedade das pessoas.” E no Brasil se vê muito isso.. os políticos invadem ‘propriedades’. Um exemplo:a discussão sobre o cidadão ter ou não ‘direito’ ao porte de arma. Isso é invasão de propriedade: ‘Eles estão discutindo se eu tenho o direito de ter uma arma de fogo pra defender minha própria vida.. Isso não deveria nem ser discutido pois, é claro que tenho direito de possuir uma arma de fogo pra defender minha própria vida. ISSO É UMA INVASÃO DE PROPRIEDADE. O ESTADO USURPA SUA COMPETÊNCIA E TIRANIZA. É PRECISO IMPOR LIMITES AO GOVERNO PORQUE ELE SE TORNA TIRANO.. É PRECISO PROTEGER O CIDADÃO DO DESPOTISMO DOS PODERES.. POR EXEMPLO:’TODA VEZ QUE O JUDICIÁRIO GERA MECANISMOS BUROCRÁTICOS DENTRO DA LEI PRA COLOCAR EM LIBERDADE ASSALTANTES E MATADORES COMPULSIVOS,ELES ESTÃO EXTRAPOLANDO E INVADINDO PROPRIEDADES.. ENTENDEU A TIRANIA DO PODER?É PRECISO IMPOR LIMITES AOS PODERES DA REPUBLICA.

    Responder

Deixe seu comentário