Eleições Americanas e o Encantamento das Serpentes

Daniel Miorim
[email protected]

Daniel é sócio-fundador da Universidade Libertária. Institucionalista Moral Libertário. Totalmente individualista e acima de tudo libertário. Equipe da Fraternidade Libertária, Biblioteca Libertária e Anarcopop.

Se repete cotidianamente nos cinemas e na mídia em geral a velha cena do encantador de serpentes. Tantas vezes que consigo perfeitamente criar uma imagem mental dessa fatídica cena. Um homem vestido em vestes longas, munido de uma flauta, com um cesto em sua frente, uma cobra o encara e quando o homem se move, ela o acompanha. Em verdade, parece que a cobra, o homem e a música cantada são um só! 

Essa fatídica cena possui um segredo. A cobra está amortecida, sem presas, cega e surda, colocada em um cesto em que é incapaz de machucar alguém, pela restrição dos seus movimentos. A sua frente, está uma flauta que em geral serve para manter distância entre a cobra e o sujeito, coberta por urina de rato o que auxilia no processo já que o movimento da cobra está seguindo a urina e não o adestrador, que a alimenta muito bem.

Aqueles que porventura vejam essa cena e acreditem se tratar de um ato de valentia estão redondamente enganados. A mesma coisa se repete com as eleições americanas e, para ser bem franco, com todas as eleições. Somos parte da plateia, iludidos com um jogo de luzes, onde o bravo homem não tem nada de valente e no qual a cobra de inimiga tem menos ainda. 

Jogo de Luzes

O inimigo da cobra foi a servidão e assim se dá com todos aqueles que acreditam poderem ser uma serpente e entrar em terreno inimigo, crendo veementemente que não serão encantadas e o inimigo do homem somos nós, ou ao menos aqueles de nós que, conhecendo o truque, denunciem a verdade de sua farsa para o mundo. 

Há aqueles que agem como se estivessem eles mesmos com todos seus bens na bolsa de valores e precisasse urgentemente da informação acerca de quem será o próximo Presidente dos Estados Unidos. Agindo como se fossem todos apostadores do lado de fora do espetáculo, apostando se a cobra morderá ou não o bravo encantador dessa vez. A verdade é que apenas uma minoria irá se beneficiar ou se prejudicar com essa informação e todos os outros são apenas bobos que não podendo interferir com o resultado final, estão entregando valiosos minutos e seu dinheiro para os encantadores de serpente. 

Afinal, como já diria nossa antiga presidente: nem quem ganhar nem quem perder vai ganhar ou perder, vai todo mundo perder. 

Quer deixar de ser encantado pela política? Conheça o Clube da Liberdade!


1 Comentário

Deixe seu comentário